Rádio Observador

Ministério da Saúde

Ordem dos Enfermeiros apela a Marcelo para que force a saída da ministra da Saúde

260

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros afirmou que a ministra "não tem condições para cumprir o seu mandato até às eleições legislativas". Pede a Marcelo para atuar perante "atitude persecutória".

MÁRIO CRUZ/LUSA

A bastonária dos Enfermeiros considera que a ministra da Saúde não tem condições de cumprir o seu mandato até às legislativas e pede a intervenção do Presidente da República no que considera ser um “ataque à democracia”.

Em causa neste pedido ao chefe de Estado está a sindicância (uma inspeção genérica) que a Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) vai realizar à Ordem dos Enfermeiros (OE), por solicitação da ministra da Saúde. A bastonária da OE, Ana Rita Cavaco, entende que se trata de uma perseguição “nunca antes vista” a uma ordem profissional.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, com a ministra da Saúde, Marta Temido (@ MÁRIO CRUZ/LUSA)

Quanto à falta de condições da ministra para continuar no cargo até outubro, a bastonária refere-se também ao relatório do grupo técnico independente sobre as listas de espera em consultas e cirurgias, bem como ao que considera ser a falta de resolução de problemas e de andamento de processos.

Em entrevista à agência Lusa, a representante dos Enfermeiros afirma que desconfia de tudo o que a ministra da Saúde diz e de qualquer dado que veicule, além de acusar Marta Temido de nada resolver.

Perante as atitudes que tem tomado, a Ordem dos Enfermeiros não tem confiança nenhuma nos dados que a senhora ministra verbaliza. Não tem, perante o que aconteceu, objetivamente condições para cumprir o seu mandato até às eleições legislativas. Não só por esta questão como por tudo o resto (…). Nada anda, nada é resolvido e toda a informação que vem da parte da senhora ministra não é credível”, diz Ana Rita Cavaco.

Questionada pela Lusa sobre se está a pedir a demissão da ministra, a bastonária considera que essa avaliação cabe ao primeiro-ministro, mas insiste na necessidade de intervenção do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa perante o que considera ser “um ataque à democracia, com uma sindicância a uma ordem profissional independente”.

Ana Rita Cavaco lembra que o pedido de investigação geral à OE acontece também depois de uma exposição feita pelo Ministério à Procuradoria-geral da República sem que tenha sido divulgado o seu conteúdo.

“A ministra está numa senda de perseguição à Ordem dos Enfermeiros e aos seus órgãos. Tentou primeiro com uma exposição à senhora procuradora-geral da República que, pelos vistos, não resultou e ainda ninguém sabe o que está nessa exposição. Não conseguindo, fez um despacho a 16 de abril para a IGAS, solicitando uma sindicância alargada à Ordem”, refere Ana Rita Cavaco.

Num anúncio publicado num jornal diário no final da semana passada, a IGAS convida todos os que tenham razões de queixa ou agravo em relação à OE para as apresentarem à Inspeção.

As declarações da bastonária surgem depois de também hoje em entrevista à Lusa a ministra Marta Temido ter considerado uma “suspeição intolerável” dar a entender que houve eliminação de doentes das listas de espera para consultas ou cirurgias e que foram usados mecanismos para mascarar os números.

A ministra refutava uma conclusão do grupo técnico independente nomeado pelo Governo para avaliar os sistemas de gestão das listas de espera na Saúde, que foi constituído na sequência de um relatório do Tribunal de Contas de 2017, que apontava para a “eliminação administrativa” de utentes das listas de espera.

Os dois relatórios analisaram o triénio 2014/2016, sendo que no último ano avaliado a Administração Central do Sistema de Saúde era presidida pela atual ministra, Marta Temido.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)