PSD

Consultor de comunicação do PSD demite-se depois de investigação a perfis falsos

348

Rodrigo Gonçalves demitiu-se depois de ter sido associado a uma rede de perfis falsos que espalhavam mentiras nas redes sociais sobre os adversários políticos do PSD. Ex-consultor nega acusações.

Rodrigo Gonçalves garante não ter nada a ver com contas falsas e que notícia do Diário de Notícias teve por base "argumentos falsos"

Mais sobre

Rodrigo Gonçalves demitiu-se do cargo de consultor de comunicação do PSD, avança o Diário de Notícias. A decisão foi tomada depois de o jornal ter publicado, durante o fim de semana, uma investigação que expunha a existência de perfis falsos, nas redes sociais Twitter e Facebook, que espalhavam mentiras sobre os adversários políticos do partido liderado por Rui Rio. Gonçalves era dado pelo Diário de Notícias como uma das quatro pessoas responsáveis pelas contas.

Num comunicado, datado de domingo e divulgado pelo jornal esta segunda-feira, o ex-consultor garantiu não ter qualquer ligação com as contas de Twitter e Facebook e acusou o Diário de Notícias de ter divulgado uma notícia “com base em argumentos falsos” no que a si “diz respeito”. “Desta forma pôs em causa o meu bom nome, a minha honra e a minha imagem”, declarou. Para Gonçalves, a publicação deve-se a “agendas pessoais de fontes internas e externas ao PSD. “Só posso associar estas notícias e o seu timing a esse fator eleitoral”, acrescentou.

Frisando que aquilo que o move “é o sentido de responsabilidade” e que, por isso, tomou “a iniciativa de deixar de colaborar no plano profissional, com o PSD”, Gonçalves explicou que a sua demissão tem também por objetivo “defender e salvaguardar” os seus familiares. “Não posso permitir que sejam afetados pelas calúnias, pela difamação, pela desinformação e pela má-fé que abunda no espaço mediático e político. Tenho o dever de os proteger.”

Rodrigo Gonçalves terminou sugerindo a existência de “uma arma de arremesso político contra o dr. Rui Rio” que, apesar do afastamento do cargo que ocupava até este domingo, continuará a apoiar. “Temos assistido a ataques a muitos dos que estão próximos do líder do PSD, desde dirigentes a colaboradores, com um único objetivo de destruir os projetos que tem para o PSD e para o País. Mas comigo não contam para ser bode expiatório dessa campanha”, garantiu.

Afinal…. A culpa é do PS

O caso dos alegados perfis falsos de Rodrigo Gonçalves motivou o Partido Socialista a apresentar uma queixa à Comissão Nacional de Eleições (CNE) e esta tomada de decisão motivou novo comunicado do ex-consultor de comunicação do PSD. “Aproveitamento despropositado”, é aquilo que Rodrigo Gonçalves acusa o PS de fazer ao tentar usar o seu “bom nome para atacar o PSD”.

Em jeito de contra-ataque anuncia que “nos próximos dias” irá apresentar uma queixa junto da ERC “para que possa ser aferida a verdade”, provar que não tem nada a ver com o noticiado e, por isso, não pode permitir que o seu nome “possa ser instrumentalizado ao serviço dos objetivos eleitorais do PS.”

Ao CNE deverá também chegar uma queixa assinada pelo mesmo Rodrigo Gonçalves “no sentido de poder diligenciar junto do Facebook e do Twitter o encerramento das várias contas com alegada ligação ao Partido Socialista, contas que já foram disponibilizadas ao Jornal Diário de Notícias” e que já estão identificadas.  “Vou pedir que sejam adotadas medidas no sentido de as neutralizar e eliminar, já que uma parte delas ultrapassa todos os limites do razoável em termos de insultos às mais diversas pessoas de que o PS não gosta”, escreve o antigo consultor de comunicação social-democrata.

Finalmente e deixada uma crítica ao Partido Socialista, que é acusado de estar com este caso a orquestrar uma “manobra de diversão” para “não falar em primeiro lugar das eleições Europeias” e de outros casos “como o Galpgate, o Famalygate, o Siresp, Tancos, os Fundos Europeus, o SNS, entre muitos outros assuntos incómodos para a sua gestão.”

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)