Rádio Observador

PS

Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária recomendam retirar passadeiras coloridas de Campolide

15.348

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) acabou com as dúvidas e recomendou à Junta de Freguesia de Campolide que remova as duas passadeiras com as cores do arco-íris

"Acho grave que os responsáveis políticos estejam a fazer uma coisa que é uma ilegalidade e que retira o valor do sinal à passadeira", disse Miguel Trigoso

FRANCISCO ROMÃO PEREIRA/OBSERVADOR

Mais sobre

Será o fim das passadeiras coloridas? A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) acabou com as dúvidas e recomendou à Junta de Freguesia de Campolide que remova as duas passadeiras com as cores do arco-íris que foram pintadas na noite de domingo para segunda-feira.

Num comunicado citado pelo Jornal de Notícias, a ANSR considera que “nos termos do Regulamento de Sinalização do Trânsito (RST), os sinais de trânsito e as marcas rodoviárias devem obedecer às características definidas no que respeita a formas, cores, inscrições, símbolos e dimensões, bem como aos materiais a utilizar e às regras de colocação”.

A Autoridade esclarece que “embora a competência para a sinalização seja das respetivas entidades gestoras, a verificação da conformidade da sinalização das vias públicas com a legislação aplicável e com os princípios do bom ordenamento e segurança da circulação rodoviária cabe à ANSR”. E como as passadeiras em Campolide desobedecem ao estipulado no Regulamento de Sinalização do Trânsito, a ANSR recomendou à Junta a sua extinção.

Já o presidente da Prevenção Rodoviária tinha manifestado o seu desacordo com a medida da Junta de Freguesia de Campolide, em Lisboa: “Pintar as passadeiras com outras cores, mesmo mantendo o branco e colocando as outras cores nos intervalos é alterar o sinal, o que significa que deixa de ser uma passadeira”, disse ao jornal i.

José Miguel Trigoso não tinha dúvidas: passadeiras coloridas não são passadeiras. Quem ali for atropelado é como se o tivesse sido numa estrada, e os condutores não são obrigados a respeitá-las, não têm de parar para permitir que os peões passem, alertou nas declarações feitas ao diário na sua edição impressa. “O sinal não é só as listas brancas, é o global”, continuou o responsável, lamentando a iniciativa: “Acho grave que os responsáveis políticos estejam a fazer uma coisa que é uma ilegalidade e que retira o valor do sinal à passadeira”.

A Junta de Freguesia de Campolide já tem duas passadeiras com as cores do arco-íris, em homenagem à comunidade LGBTI, e tem previstas mais três. A ideia partiu dos representantes do CDS-PP na Junta de Freguesia de Arroios, que foi aprovada por unanimidade, levantando a polémica dentro do partido nacional. A medida acabaria por não ser concretizada por ser ilegal, disse então a presidente da Junta, Margarida Martins, ao Observador. Mas André Couto, autarca de Campolide que andou mesmo, com a equipa de funcionários da Junta, a pintar as passadeiras coloridas, discorda. Ao Observador explicou que desde que houvesse listas brancas, estava cumprida a lei.

E o que diz a lei? “As marcas rodoviárias têm sempre cor branca, com as exceções [quando utilizadas em sinalização temporária, em que devem ser amarelas, na delimitação de vias de acesso a portagem identificadas com o sinal H33, em que devem ser verdes] constantes do presente regulamento”, estipula o artigo 59º. do Regulamento de Sinalização de Trânsito. E o 61º. acrescenta que as passadeiras devem ser “constituídas por barras longitudinais paralelas ao eixo da via, alternadas por intervalos regulares”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)