Cinema

Filme sobre Elisa e Marcela, as únicas duas mulheres que se casaram pela Igreja em Espanha, estreia em junho

255

"Elisa y Marcela", de Isabel Coixet, vai estrear na Netflix a 7 de junho. O filme conta a história de amor de duas mulheres espanholas que conseguiram casar em 1901 depois de enganarem um padre.

Elisa e Marcela conheceram-se numa escola feminina da Catalunha no final do século XIX. Casaram em 1901

QUIM VIVES

O filme sobre a história de amor de Elisa e Marcela, duas mulheres espanholas que, em 1901, conseguiram casar pela Igreja depois de enganarem um padre na Corunha, anunciado em 2018, vai estrear numa série de cinemas selecionados em Espanha a 24 de maio. Depois disso, e de forma a antecipar o aniversário daquele que ficou conhecido na época como o “casamento sem homem”, a longa-metragem da realizadora Isabel Coixet produzida pela Netflix, chegará à plataforma de streaming a 7 de junho. As duas mulheres casaram a 8 de junho de 1901.

“Elisa y Marcela”, protagonizado por Natalia de Molina e Greta Fernández, foi rodado a preto e branco entre a Catalunha e a Galiza e inclui cenas sobre a vida do casal em Portugal. O filme relata como Elisa Sanchez e Marcela Garcia se conheceram em 1885 na escola onde estudavam, e como “uma grande amizade” se transformou numa relação vivida “às escondidas”, refere o comunicado divulgado pela Netflix em Espanha. Foi por causa da necessidade de esconderem o que os outros achavam ser proibido que as duas mulheres decidiram “traçar um plano” e fazerem-se passar por um casal heterossexual.

O cartaz oficial de “Elisa y Marcela” foi divulgado esta semana pela Netflix em Espanha

Depois de desaparecida durante algum tempo, Elisa regressou com o cabelo cortado e transformada em Mario. Fazendo-se passar por homem e com uma certidão de nascimento falsa, conseguiu casar com Marcela no verão de 1901. Quando o caso foi descoberto, as duas foram obrigadas a fugir das autoridades espanholas. Mudaram-se então para o Porto, onde acabaram por ser detidas em agosto desse mesmo ano. Contactada pelo Observador, a Netflix em Espanha confirmou que o filme, que conta ainda com a participação de atores como Tamar Novas, Sara Casasnovas, María Pujalte, Francesc Orella, Manolo Solo e Lluís Homar, mostra também a vida do casal na prisão etambém o apoio dado pela população portuguesa, sobretudo no Porto.

É, aliás, em Portugal que o rasto das duasse perde. Pressionadas pela imprensa depois de Marcela ter tido uma filha no início de 1902, terão partido para a Argentina no verão. Pouco se sabe da sua vida do outro lado do Atlântico. Sobre o que se passou depois dessa data, foi recentemente editado pela Porto Editora um livro de ficção da autoria de Alberto S. Santos, Os Amantes de Buenos Aires, que procura reconstruir o que ainda ninguém conseguiu descobrir sobre o único casamento entre pessoas do mesmo sexo na Igreja em Espanha.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)