Rádio Observador

Cinema

Filme sobre Elisa e Marcela, as únicas duas mulheres que se casaram pela Igreja em Espanha, estreia em junho

255

"Elisa y Marcela", de Isabel Coixet, vai estrear na Netflix a 7 de junho. O filme conta a história de amor de duas mulheres espanholas que conseguiram casar em 1901 depois de enganarem um padre.

Elisa e Marcela conheceram-se numa escola feminina da Catalunha no final do século XIX. Casaram em 1901

QUIM VIVES

O filme sobre a história de amor de Elisa e Marcela, duas mulheres espanholas que, em 1901, conseguiram casar pela Igreja depois de enganarem um padre na Corunha, anunciado em 2018, vai estrear numa série de cinemas selecionados em Espanha a 24 de maio. Depois disso, e de forma a antecipar o aniversário daquele que ficou conhecido na época como o “casamento sem homem”, a longa-metragem da realizadora Isabel Coixet produzida pela Netflix, chegará à plataforma de streaming a 7 de junho. As duas mulheres casaram a 8 de junho de 1901.

“Elisa y Marcela”, protagonizado por Natalia de Molina e Greta Fernández, foi rodado a preto e branco entre a Catalunha e a Galiza e inclui cenas sobre a vida do casal em Portugal. O filme relata como Elisa Sanchez e Marcela Garcia se conheceram em 1885 na escola onde estudavam, e como “uma grande amizade” se transformou numa relação vivida “às escondidas”, refere o comunicado divulgado pela Netflix em Espanha. Foi por causa da necessidade de esconderem o que os outros achavam ser proibido que as duas mulheres decidiram “traçar um plano” e fazerem-se passar por um casal heterossexual.

O cartaz oficial de “Elisa y Marcela” foi divulgado esta semana pela Netflix em Espanha

Depois de desaparecida durante algum tempo, Elisa regressou com o cabelo cortado e transformada em Mario. Fazendo-se passar por homem e com uma certidão de nascimento falsa, conseguiu casar com Marcela no verão de 1901. Quando o caso foi descoberto, as duas foram obrigadas a fugir das autoridades espanholas. Mudaram-se então para o Porto, onde acabaram por ser detidas em agosto desse mesmo ano. Contactada pelo Observador, a Netflix em Espanha confirmou que o filme, que conta ainda com a participação de atores como Tamar Novas, Sara Casasnovas, María Pujalte, Francesc Orella, Manolo Solo e Lluís Homar, mostra também a vida do casal na prisão etambém o apoio dado pela população portuguesa, sobretudo no Porto.

É, aliás, em Portugal que o rasto das duasse perde. Pressionadas pela imprensa depois de Marcela ter tido uma filha no início de 1902, terão partido para a Argentina no verão. Pouco se sabe da sua vida do outro lado do Atlântico. Sobre o que se passou depois dessa data, foi recentemente editado pela Porto Editora um livro de ficção da autoria de Alberto S. Santos, Os Amantes de Buenos Aires, que procura reconstruir o que ainda ninguém conseguiu descobrir sobre o único casamento entre pessoas do mesmo sexo na Igreja em Espanha.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Cinema

Tu, a mim, não me tratas por tu! /premium

Laurinda Alves
271

“Campeões” é um filme imperdível pelo humor explosivo e pelo amor redentor. Não temos pena de ninguém, não achamos ninguém estranho, não temos rótulos para os personagens, rimos quando nos fazem rir.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)