Proteção Civil

Polémica. Proteção Civil pagou combustível para participar em novela da SIC. Comando de Leiria questionado pelo MAI

337

A ANEPC não recebeu qualquer pagamento da SP Televisão, tendo pago até o combustível dos meios usados nas gravações da nova da SIC. O objetivo foi recriar os incêndios de outubro na região Centro.

A SP Televisão quis recriar os incêndios de outubro na região Centro, que fez 49 mortos e 70 feridos

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A Autoridade Nacional de Emergência da Proteção Civil assumiu todos os custos de combustível pela mobilização de meios de combate a fogos para participar nas filmagens de “Flor de sal”, uma novela da SIC. De acordo com o Jornal de Notícias, o Ministério da Administração Interna já questionou o Comando Distrital de Operações de Socorro de Leiria.

A SP Televisão quis recriar os incêndios de outubro na região Centro, que fez 49 mortos e 70 feridos e convidou a ANEPC para participar na novela. Corporações de bombeiros de Leiria, o INEM, os militares do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro, os “canarinhos” da Força Especial de Bombeiros e o SIRESP participaram nas gravações.

A ANEPC não recebeu qualquer pagamento da SP Televisão, tendo pago até o combustível dos meios usados no evento, como assumiu numa resposta enviada ao Jornal de Notícias. “Não houve qualquer pagamento” por parte da SP televisão, que apenas forneceu “apoio logístico aos meios materiais e humanos”, explicou fonte a ANEPC ao Jornal de Notícias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)