Rádio Observador

Angola

“Do Lixo ao Luxo” com arte para sobreviver em Angola

"Do Lixo ao Luxo" é o lema de Manuel Francisco Fabiano Samuel, cujo nome artístico, 'Samuelarte', começa a fazer "escola" entre os jovens, sobretudo numa pequena comunidade nos arredores de Luanda.

"Trabalho com reciclagem. Tenho ajudado algumas associações, com 'workshops' de reciclagem, como professor, ensinando crianças, adolescentes, até mesmo jovens", disse à Lusa Manuel Samuel

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A luta para sobreviver em Angola tem despertado os jovens angolanos para um misto de desespero e preocupações ambientais, com ‘Samuelarte’, aos 18 anos, a conseguir um sustento mensal “relativamente desafogado” a partir do lixo, sobretudo ferro, que recicla.

“Do Lixo ao Luxo” é o lema de Manuel Francisco Fabiano Samuel, cujo nome artístico, ‘Samuelarte’, começa a fazer “algum furor” e “escola” entre os jovens, sobretudo de uma pequena comunidade nos arredores de Luanda, que criou a associação “Lixo Zero Angola” e que tem servido de “sustento” para “várias” famílias.

Quem o diz é o franzino ‘Samuelarte’, que a agência Lusa encontrou a vender o seu artesanato reciclado a partir do ferro à porta do Centro de Convenções de Talatona, a sul da capital angolana, sempre muito solicitado por grande parte dos cerca de 1.500 delegados que participaram recentemente no Fórum Mundial do Turismo.

“Trabalho com reciclagem. Tenho ajudado algumas associações, com ‘workshops’ de reciclagem, como professor, ensinando crianças, adolescentes, até mesmo jovens”, disse à Lusa, numa linguagem desenvolta e até mesmo empresarial, lembrando que deixou a escola, em Luanda, há três anos para se dedicar à reciclagem.

“‘Do Lixo ao Luxo’ é o meu lema. A minha função é transformar o lixo em luxo, diminuir o lixo no mundo. Além dessa minha função também trabalho na ‘Lixo Zero Angola’. Temos atividades de limpeza das ruas, praias, etc. E é também com esse lixo que a utilizamos na reciclagem, fazendo peças de escultura, roupa, pasta, fios, colares, muita coisa”, acrescentou.

Se a luta pela sobrevivência, face à elevada taxa de desemprego em Angola – 28% da população ativa e quase 50% entre a camada mais jovem – ‘Samuelarte’ assegurou que, com a atividade, começou também a ganhar preocupações ambientais, numa cidade que tenta manter-se diariamente asseada, tarefa, porém, quase impossível.

“Sim, também há preocupações ambientais. É que há muito lixo que dá para ser utilizado, que dá para ser uma nova coisa. Há muito lixo, que faz muito mal às próprias pessoas. Se nós não queremos que as pessoas passem mal, podemos utilizar o lixo, fazendo coisas que podem ser utilizadas, que podem trazer-nos um fundo para nós e para outras pessoas, reciclando”, explicou.

Segundo ‘Samuelarte’, que se escusou a adiantar quanto consegue obter regularmente com este negócio, há já “muitos jovens” que estão também a apostar na reciclagem como meio de sustento, criando peças ou materiais para fazer roupas a partir do lixo, e que têm ajudado a sustentar as suas próprias famílias.

Segundo o jovem artesão, a atividade é rentável – cada peça não custa menos de 10.000 kwanzas (cerca de 27 euros), dependendo do trabalho que teve e do tamanho -, uma vez que o trabalho em ferro é “duro e difícil”. “Trabalho com ferro. Mas sei reciclar tudo”.

Sobre algumas das cerca de três dezenas de peças em ferro expostas, ‘Samuelarte’, cuja inspiração “vem do tudo e do nada”, destaca a “mais polémica”, que retrata a história de uma ‘zungueira’ (vendedora de rua) que foi assassinada por um polícia.

“É uma história muito triste que abalou o povo angolano. A senhora foi assinada pelo próprio policial, houve uma confusão imensa, a polícia foi agredida, com pedras, etc. Foi triste. Foi triste a história. Está tudo na internet, no ‘Youtube'”, descreveu.

Outra das peças em ferro tem o título “Lágrimas Coloridas”, para a qual tem uma explicação curiosa.

“É uma máscara que se chama ‘Lágrimas Coloridas’. Lágrimas coloridas são lágrimas de alegria e lágrimas incolores são lágrimas de tristeza, lágrimas sem cor. Às vezes, quando fico aí a dar estas gargalhadas, fico a lacrimejar e isso deu-me a ideia: vou fazer algo assim, idêntico. Uma lágrima sem cor não é lágrima de alegria. Criei esta peça”, concluiu.

‘Samuelarte’ deve ter ficado contente com a Feira do Turismo Mundial, que encerrou no sábado. É que das três dezenas de peças inicialmente expostas, restavam, no final, cerca de uma dúzia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)