Moçambique

Maior parque do norte de Moçambique celebra um ano sem abate de elefantes

2.001

A anúncio foi feito a propósito da divulgação do programa de celebração do oitavo aniversário da ANAC, que se celebra a 01 de junho, próximo sábado.

MARK R. CRISTINO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC) de Moçambique celebra este mês um ano sem abate de elefantes por caçadores furtivos na Reserva Especial do Niassa, a maior do país, anunciou esta segunda-feira a instituição em comunicado.

A ANAC nota uma “redução significativa da caça furtiva de elefantes no país, com destaque para a Reserva Nacional do Niassa, que completou um ano sem abate de elefantes por caçadores furtivos”.

A anúncio foi feito a propósito da divulgação do programa de celebração do oitavo aniversário da ANAC, que se celebra a 01 de junho, próximo sábado.

As celebrações acontecem numa altura em que o foco da instituição reside na “melhoria da capacidade de gestão, combate à caça furtiva, promoção da autossustentabilidade na gestão das áreas de conservação e partilha de benefícios económicos com as comunidades locais”.

A ANAC diz estar igualmente a concentrar seus esforços na formação dos recursos humanos.

As celebrações terão lugar na Reserva Especial de Maputo e Marinha Parcial da Ponta do Ouro, onde a organização espera juntar alunos do ensino básico para excursões e palestras sobre a vida selvagem.

“A ANAC pretende com estas celebrações aumentar o nível de consciencialização da sociedade e das comunidades que residem dentro e nos arredores das Áreas de Conservação sobre a importância da proteção da biodiversidade”, explica.

Dados da ANAC indicam que, desde 2009, o país perdeu pelo menos dez mil elefantes e, só na Reserva do Niassa, a maior área protegida do país, o número total desta passou de 12.000 para 4.400 em três anos (entre 2011 e 2014).

Relatórios mais recentes indicam que o país perdeu, entre 2011 e 2016, 48% da população de elefantes, correndo o risco de ser banido do comércio internacional de derivados da espécie, devido à falta de clareza na gestão dos animais.

O presidente moçambicano, Filipe Nyusi, destacou em novembro de 2018 uma força da Unidade de Intervenção Rápida (UIR) da polícia para a Reserva do Niassa por forma a apoiar os fiscais no combate à caça de fauna bravia.

A ANAC gere sete parques moçambicanos, igual número de reservas e quatro áreas transfronteiriças de gestão conjunta que abrigam, na globalidade, 5.500 espécies de plantas, 220 espécies de mamíferos e 690 de aves.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)