Rádio Observador

Abstenção

Governo diz que é preciso “agir urgentemente” junto dos jovens para combater abstenção

435

"A cada passo que não exercem a sua cidadania, há alguém que exerce por eles" alertou o Ministro da Educação dirigido-se ao "número muito alto de abstenção" entre os jovens estudantes portugueses.

A taxa de abstenção ficou próxima dos 70%

MÁRIO CRUZ/LUSA

O ministro da Educação defendeu esta terça-feira que é preciso “agir urgentemente” junto dos jovens tendo em conta a abstenção nas eleições europeias que, em Portugal, rondou os 70%.

“Muitos milhares de cidadãos foram votar, mas muitos outros milhares – mais ainda – abdicaram de o fazer”, sublinhou o ministro, Tiago Brandão Rodrigues, durante a Conferência Internacional “Educação, Cidadania, Mundo. Que escola para que sociedade?”, que está a decorrer no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa.

Em Portugal, apenas 31% dos eleitores participaram nas eleições europeias, sendo a sexta pior taxa da União Europeia, cuja média foi de 50,82%.

O ministro lamentou que a maioria dos jovens portugueses faça parte do grupo que, no domingo, não exerceu o seu direito de voto: “Há um número muito alto de abstenção entre os jovens”.

A taxa de abstenção próxima dos 70% “vem dizer que temos de agir urgentemente”, defendeu Tiago Brandão Rodrigues, em declarações aos jornalistas, à margem do encontro.

“A cada passo que não exercem a sua cidadania, há alguém que exerce por eles”, alertou, reconhecendo que “a escola tem um papel fundamental” no processo de “criar sociedades livres, democráticas e sustentáveis”.

As escolas, contou, têm vários projetos pensados para sensibilizar os jovens para a importância de participar nos atos de cidadania e valorizar os processos democráticos.

Além das aulas de cidadania, existem iniciativas como “A Voz dos Alunos”, em que são chamados a dar a sua opinião sobre como melhorar a escola, ou o “Orçamento Participativo das Escolas”, em que os alunos podem apresentar projetos para melhorar a escola.

No Orçamento Participativo, um aluno ou grupo que tenha uma ideia só precisa de reunir apoios e angariar votos dos restantes estudantes. No final, todas as propostas são votadas e o projeto vencedor torna-se realidade.

“É preciso uma prática diária para que a cidadania se cumpra”, lembrou hoje Tiago Brandão Rodrigues.

No entanto, no caso dos processos eleitorais não basta o trabalho das escolas: “É um problema multifactorial o que leva a afastar [as pessoas] do voto”, sublinhou.

O ministro deu exemplos que mostram como os mais novos estão empenhados em algumas causas, como a defesa do Planeta. Na semana passada, pela segunda vez em Portugal, milhares de estudantes voltaram a ocupar as ruas para alertar para a crise climática, participando na Greve Climática Estudantil, que se realizou em mais de uma centena de países.

O combate às alterações climáticas foi tomado como um direito fundamental dos mais novos que agora precisam de olhar para os processos eleitorais da mesma forma.

“A ignorância facilita a manipulação e os regimes autoritários”, alertou por seu turno Snezana Samardzic-Markovic, Diretora-Geral da Direção-Geral de Democracia do Conselho da Europa, que também esteve na conferência sobre “Educação, Cidadania, Mundo. Que escola para que sociedade?”.

Snezana Samardzic-Markovic lembrou que uma educação de qualidade e acessível a todos é uma importante ferramenta para prevenir injustiças sociais.

“Precisamos de uma sociedade estável e tolerante”, sublinhou a representante do Conselho da Europa, lembrando que a “empatia e a solidariedade” são qualidades que se adquirem através da educação.

A conferência internacional, que termina na quarta-feira, conta também com a colaboração da Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o Conselho da Europa.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

É desta que fazemos valer a nossa geração?

Teresa Cunha Pinto
585

Esta geração vive com a barriga cheia de uma grande ilusão. De que é a geração mais informada, mais qualificada, mais viajada. É pura ilusão porque em nada se concretiza e materializa. 

Política

Democracia não é o mesmo que Liberdade

Telmo Azevedo Fernandes
186

Desde que a democracia decida sobre o mínimo possível acerca das nossas vidas, os políticos que procuram respostas para a abstenção podem continuar a não se apoquentar e ter confiança na Liberdade.

Eleições Europeias

Péricles, 25/04, Lage e abstenção

José Maria Bleck
178

A abstenção devia pôr muita coisa em causa. Pelos vistos, os portugueses não querem saber se votam ou não. Alguma coisa está errada e quer a sociedade civil como os partidos deviam refletir sobre isso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)