Rádio Observador

Seleção Nacional

Fernando Santos e o hat-trick de Ronaldo: “Só me surpreendeu quando tinha 18 anos e o treinava no Sporting”

525

Fernando Santos descartou quaisquer surpresas com Ronaldo, sublinhou o "génio coletivo" e voltou a recordar que Portugal "sempre teve" talento. E garantiu que a Seleção vai à final "para vencer".

Selecionador nacional vai disputar a segunda final desde que está ao comando de Portugal. FILIPE AMORIM/OBSERVADOR

FILIPE AMORIM/OBSERVADOR

No final de março, no espaço de quatro dias, Portugal empatou duas vezes. Primeiro com a Ucrânia, depois com a Sérvia, a Seleção Nacional não conseguiu mais do que dois pontos nos primeiros dois jogos da qualificação para o Euro 2020. Face a duas exibições apáticas e que muito, demasiado, deixaram a desejar, Fernando Santos foi criticado. Criticado pela titularidade de Dyego Sousa e por não apostar em Diogo Jota, criticado pela escassa utilização de Pizzi, que realizou uma temporada assinalável no Benfica, e criticado por não ter aproveitado o primeiro jogo para lançar João Félix (o jovem jogador lesionou-se e já não esteve no segundo).

O selecionador nacional foi criticado como provavelmente já não era desde a fase de grupos do Euro 2016, que Portugal acabou por conquistar, quando a seleção portuguesa só conseguiu três pontos em três jogos com Islândia, Áustria e Hungria. Passaram mais de dois meses. Os clubes fecharam a temporada, Fernando Santos teve tempo, espaço e oportunidades para escolher o lote de convocados que iria disputar a fase final da Liga das Nações e atirou-se à inédita competição europeia de seleções sem grandes receios, garantindo na antevisão do jogo desta quarta-feira com a Suíça que Portugal iria sempre atrás do troféu.

Assim foi. E assim será. Contra os suíços, a seleção portuguesa esteve longe de deslumbrar e acabou por beneficiar de (mais) uma noite inspirada de Cristiano Ronaldo para carimbar o passaporte para a final da Liga das Nações. A ausência de grandes oportunidades, de grandes lances, de remates enquadrados, foi ofuscada pelos três grandes golos do capitão que acabaram por aniquilar uma Suíça corajosa. Contas feitas e críticas à parte, a verdade é que a Seleção Nacional leva já nove jogos consecutivos sem perder — a última vez que perdeu foi na eliminação do Mundial da Rússia, há quase um ano, com o Uruguai –, e vai disputar a segunda final em três anos (Euro 2016 e agora Liga das Nações 2019) e a terceira do seu palmarés (mais Euro 2004).

Na flash interview, o selecionador nacional afastou qualquer surpresa relativa à exibição de Cristiano Ronaldo e lembrou que o jogador só o surpreendeu “quanto tinha 18 anos”, reforçando a ideia de que “Portugal sempre teve talento”, uma frase que já tinha sublinhado na antevisão quando questionado sobre a dificuldade de gerir tantos jogadores com qualidade para serem chamados. “Já vem desde 2004 e é por isso que quando digo que Portugal sempre teve talento, às vezes parece que é proibido dizer. A mim não me surpreende nada, surpreendeu quando tinha 18 anos e o treinava no Sporting. Há que aproveitar a qualidade destes jogadores e continuar a crescer coletivamente”, atirou Fernando Santos, que destacou depois o “génio coletivo” da reta final da partida.

“O génio coletivo, isso é que desbloqueou o jogo nos 10 minutos finais. A equipa começou a ter mais bola, a sair com outra qualidade. Foi um jogo tremendo, duas equipas muito fortes. Tivemos momentos ansiosos, a querer jogar direto com a bola, faltou circulação. A Suíça sabe ter bola, mas os jogadores trabalharam muito e acabaram por merecer a vitória. Portugal acabou por ter as melhores oportunidades e vencer bem”, defendeu o selecionador, que recordou que esta equipa só perdeu três vezes, “duas nos 90 minutos e uma nos penáltis”. “As finais ganham-se a jogar. Se não se jogarem, não se podem ganhar. Vamos para a final para vencer”, garantiu.

Já na conferência de imprensa, Fernando Santos falou sobre João Félix, que se estreou com a camisola da Seleção Nacional — e logo a titular — mas parece ter passado um pouco ao lado da partida. “Não foi um teste, esses fazem-se na escola. Eu avalio os meus jogadores durante a temporada e chamo-os porque merecem e podem jogar sob quaisquer circunstâncias. Não tem nada a ver com estar a testá-los ou a fazer um exame. Não estou aqui a testar ninguém”, concluiu o selecionador nacional, que vai disputar no próximo domingo a segunda final desde que está no comando da seleção portuguesa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)