Rádio Observador

Liga das Nações

“Rei da Europa”. O que se diz lá fora sobre Portugal campeão

639

Espanha coloca-nos no topo da Europa, Itália e Argentina dão protagonismo a CR7. E as reações expandem-se a outros jogadores: Éder volta até a pedir feriado!

Numa viagem até aos tempos do Euro 2004, o jornal desportivo espanhol “Marca” é um dos meios de comunicação social estrangeiros a dar conta da vitória portuguesa na primeira edição da Liga das Nações. Numa referência a Cristiano Ronaldo, a Marca escreve que “na sua terceira final, não houve lágrimas”: “Se as houve, foram de alegria. Nada a ver com 2004, quando perdeu o Euro em casa com a Grécia, nem com 2016, quando ganhou à França mas saiu lesionado”.

A Marca escreve em letras garrafais que Portugal “dominou a Europa” com a vitória do Euro há três anos e agora a Liga das Nações. O desportivo “As” vai atrás e sublinha que Portugal é “rei da Europa”: “O Portugal industrial de Fernando Santos, que ganhou o Europa com defesa e sem golos, repetiu a estratégia para se proclamar o primeiro campeão da nova Liga das Nações”.

Um pouco mais ao lado, em França, é preciso descer um pouco mais na página do L’Équipe para encontrar uma referência à vitória portuguesa. O desportivo francês assinala que Portugal “abriu o palmarés” por ter ganho o Euro 2016 e, agora, a primeira Liga das Nações. “Levará um pouco de tempo para que a Liga das Nações tenha o mesmo prestígio que o Euro, talvez. Mas a história já lembrará que Portugal venceu esta nova competição continental, três anos depois de triunfar no Euro, em França”, pode ler-se no artigo.

Em Itália, a Gazzetta dello Sport também prefere dar mais importância à Fórmula 1. Mas no artigo em que relata o que aconteceu na final da Liga das Nações, o desportivo italiano dá protagonismo a Cristiano Ronaldo: “Mesmo sem deixar a sua marca, Cristiano Ronaldo acrescenta à estante, já enriquecida na temporada com a Supercopa e o Scudetto para a Juventus, a primeira edição da Liga das Nações”.

Do lado dos perdedores, o holandês “de Volkskrant” limita-se a um título meramente noticioso: “Equipa nacional holandesa perde a final Liga das Nações de Portugal”. “Na final da Liga das Nações, a equipa holandesa queria confirmar a temporada de ressurreição com uma façanha contra Portugal no Estádio do Dragão, no Porto. Mas o atual campeão europeu provou mais uma vez que consegue ganhar bons prémios”, conta.

Fora da Europa, a Argentina também esteve de olhos postos na Liga das Nações. O desportivo “Olé” conta que “Cristiano gritou campeão em casa”: “Cristiano Ronaldo deu-se ao luxo de comemorar em casa e gritou campeão na primeira edição da Liga das Nações da UEFA. Portugal venceu por 1-0 à Holanda na grande final disputada no Porto e o último campeão do Euro continua a conquistar o Velho Continente”.

Fechando os jornais internacionais também se encontram reações de jogadores à vitória portuguesa no Porto. Ricardo Quaresma publicou uma fotografia dele mesmo em campo com a camisola portuguesa para felicitar a equipa: “Orgulho em ser português. Parabéns, Portugal”.

Éder, cujo golo valeu a Portugal a conquista do Euro 2016 mas que desta vez não foi convocado, também comentou a vitória: “Amanhã é feriado c******! Parabéns, Portugal”, disse ele à semelhança do que aconteceu há três anos.

View this post on Instagram

Amanhã é feriado c******! Parabéns!! ????????????????????

A post shared by Eder Lopes (@ederlopesoficial) on

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)