Rádio Observador

PCP

As 5 apostas do PCP para as legislativas

252

O PCP demarca-se das opções do PS e destaca a necessidade de combater a corrupção "a nível global”. O programa eleitoral só será revelado em julho, mas os comunistas já têm as linhas gerais.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O PCP apresentou esta quarta-feira as linhas gerais do partido para a corrida às legislativas de outubro e sublinhou que se dirige “aos portugueses e não a uma futura resolução de governo”. Ou seja: esta não é a altura para falar sobre uma possível segunda “geringonça”. A divulgação do programa eleitoral fica reservada para o próximo mês de julho, mas o PCP apresentou-se já com uma “política patriótica e de esquerda” que quer contrariar a política de direita — onde junta “PS, PSD e CDS”. Os comunistas acusam os socialistas de “amarramento” em várias áreas.

Numa apresentação que durou pouco mais de meia hora, o secretário-geral do partido, Jerónimo de Sousa, abordou as áreas que para o partido são essenciais para enfrentar a “batalha eleitoral” de 6 de outubro. Que áreas são essas e que propostas em concreto apresentam já nas linhas gerais do programa?

Aumento do salário mínimo para 850 euros

Os comunistas voltam à luta pelo aumento do salário mínimo nacional para 850 euros, pelo aumento das reformas e pensões, pelo o combate à precariedade laboral e por melhores condições de trabalho. Para os desempregados e doentes, o reforço dos subsídios. No que diz respeito às famílias, a proposta é a de universalizar e majorar o abono de família. O PCP pretende ainda ampliar o papel do Estado na rede de lares e criar uma “verdadeira rede pública” de suporte à deficiência e de cuidados continuados.

Na área da política fiscal e do combate à corrupção, o partido quer a “redução dos impostos sobre os trabalhadores”, uma “efetiva taxação” dos rendimentos elevados (sem explicitar, para já, em concreto o que são ‘rendimentos elevados’), a reposição do IVA sobre a eletricidade e o gás, e uma igual tributação dos ordenados e dos “rendimentos de capital e prediais”. Quer também reforçar o combate à fuga, evasão e elisão fiscal, combater o crime organizado e a corrupção, reforçando os meios humanos e materiais afetos à investigação criminal e garantir o “respeito pela autonomia do Ministério Público”.

O combate aos “grandes corruptores”

Mencionando as recentes investigações a casos de corrupção em autarquias, para o secretário-geral do PCP apesar de, no caso de existir corrupção nas autarquias, ser necessário “trazer a verdade ao de cima”, para os comunistas é preciso que as investigações locais “não tapem a grande corrupção e que os grandes infratores continuem a passar entre os pingos da chuva”, que “não sirva de biombo para esconder uma realidade em relação aos grandes corruptores”, insistiu. Para o PCP é necessário que se crie “uma visão global de combate à corrupção e não apenas localizado em relação a esta ou àquela instituição”.

Reforço das infraestruturas e as PPP na saúde

Quanto ao investimento público, os comunistas são claros: é “necessário canalizar o excedente orçamental para o investimento público”. Para o PCP a meta “do défice zero” é o equivalente a “ser-se mais papista que o Papa” e o governo não pode insistir neste ponto quando há “problemas gritantes e necessidades absolutas” no país.

O partido pretende reforçar as infraestruturas e equipamentos do Estado, investir na Justiça, nas Forças Armadas e nas forças de segurança. Investir na escola pública — com mais trabalhadores e equipamentos —, garantir um “forte investimento” na reabilitação urbana e em habitação social e reforçar o Estado também na Proteção Civil para que esta “não esteja subordinada a negócios privados”.

A devolução, ao Estado, dos estabelecimentos hospitalares “entregues a privados” continua a ser um dos pontos das linhas essenciais do partido — numa altura em que ainda está em discussão no parlamento a possibilidade das parcerias-público-privadas integrarem uma das bases da Lei de Bases da Saúde — e, também na recuperação de “setores estratégicos” para o Estado, o PCP volta ao tema dos CTT e da necessidade de reverter a privatização.

Nos transportes, a prioridade do PCP vai para os “serviços urbanos e suburbanos” onde afirma a necessidade do lançamento de concursos para aquisição de material circulante e da “contratação imediata de trabalhadores” para as áreas das oficinas de reparação e manutenção e para a área da operação.

Para alcançar o objetivo da progressiva “gratuidade do uso de transporte público” o partido propõe, ainda, reforçar os meios financeiros do Programa de Apoio à Redução Tarifária.

Reverter a descentralização e a privatização

O PCP não deixa de fora das linhas essenciais do programa do partido para as próximas legislativas aquele que foi um dos maiores dossiers do Governo nesta legislatura: a descentralização. Os comunistas insistem no “combate ao processo de transferência de competências” e querem implementar a regionalização. Consideram essencial o reforço da capacidade financeira do poder local e equacionam — “onde se justifique” — a discriminação positiva de territórios no que diz respeito à distribuição e utilização dos fundos comunitários. O partido prevê ainda privilegiar a “exploração familiar e as produções que garantam a ocupação humana do território”.

Viragem nas políticas de ambiente e as críticas ao PAN

Uma das preocupações crescentes dos partidos são as políticas ambientais que, para o PCP, “não são novidade”, mas passam a integrar as linhas essenciais do partido de uma forma clara. O PCP reafirma o compromisso com as questões ambientais e “exige uma viragem nas políticas de ambiente e o combate à sua instrumentalização” através de uma planificação e gestão criteriosa dos recursos naturais. Quer também que sejam estabelecidas previsões e metas determinadas pelos Estados para evitar a “desnecessária destruição de ativos materiais e novas agressões ao equilibro dos sistemas ecológicos”. Neste ponto, de acordo com Jerónimo de Sousa, referindo-se ao PAN, “há partidos novos, mas a novidade nos seus objetivos não existe”, destacando algumas das iniciativas do PCP na área ambiental que foram rejeitadas pelo Parlamento.

Será necessário esperar até julho para conhecer o programa eleitoral completo do PCP, mas os comunistas insistem para já no “reforço da presença parlamentar” e na descolagem das opções socialistas — por exemplo em temas europeus e da distribuição de fundos — ao longo da última legislatura. “Não se trata de impedir uma maioria absoluta”, mas, defende, o reforço do partido no hemicíclico permitiria “aumentar a resistência ao PS”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpenela@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)