Rádio Observador

Matosinhos

Matosinhos em Jazz regressa em julho e inclui Salvador Sobral e Ricardo Toscano

1.281

O festival Matosinhos em Jazz regressa em julho com concertos nos sábados e domingos de julho, às 18h00 e vai contar com os músicos portugueses como Salvador Sobral, Ricardo Toscano e Bruno Pernadas.

Nos três primeiros fins de semana, os concertos decorrem no coreto situado em frente à Câmara Municipal de Matosinhos

Emilio Naranjo/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O festival Matosinhos em Jazz regressa em julho àquela localidade do distrito do Porto com um cartaz que inclui os músicos portugueses Salvador Sobral, Ricardo Toscano, Bruno Pernadas e o israelita Avishai Cohen, foi anunciado esta quarta-feira.

O Matosinhos em Jazz, que arranca a 6 de julho e é de entrada livre, além de concertos inclui uma exposição, na qual quatro artistas portugueses — Bráulio Amado, Kruella D’Enfer, Catarina Glam e Pedro MKK – recriam capas icónicas de discos de jazz, de acordo com a promotora da iniciativa, num comunicado hoje divulgado.

Os concertos acontecem nos sábados e domingos de julho, às 18h00.

No primeiro fim de semana do festival, a 6 e 7 de julho, atuam, respetivamente, o saxofonista Ricardo Toscano, que “apesar da tenra idade (25 anos) destaca-se há muitos anos pelo seu arrojo artístico e visão progressiva do jazz”, e a cantora Inês Pimenta, que irá apresentar o álbum “Son of Daedalus”.

Para o segundo fim de semana, a 13 e 14 de julho, estão agendadas as atuações, respetivamente, do pianista britânico Joe Armon Jones, “que representa a nova cena jazz do Reino Unido”, e do guitarrista Bruno Pernadas, que irá “apresentar o seu multifacetado trabalho musical com incursões várias a nível estilísticos que viajam do jazz ao afrobeat passando pela improvisação.

No terceiro fim de semana, a 20 e 21 de julho, haverá concertos, respetivamente, do cantor Salvador Sobral, que irá apresentar o seu mais recente trabalho, “Paris, Lisboa”, e da trompetista Susana Santos Silva, que atuará com uma formação que inclui saxofone alto, flauta, piano, contrabaixo e bateria.

Nos três primeiros fins de semana, os concertos decorrem no coreto situado em frente à Câmara Municipal de Matosinhos, enquanto o “grande encerramento” do Matosinhos em Jazz acontece no último fim de semana de julho, na Praça Guilhermina Suggia.

No dia 26, a Orquestra Jazz de Matosinhos convida a cantora holandesa Fay Claasen. “Uma voz única que se une numa só entidade sonora com a Orquestra Jazz de Matosinhos numa noite especial”, refere a organização.

A última noite do festival, a 27 de julho, fica a cargo do contrabaixista israelita Avishai Cohen, “uma das maiores referências contemporâneas no contrabaixo de jazz, sendo compositor e vocalista”, com a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música.

Durante todo o mês de julho, no Jardim Basílio Teles, junto à Câmara de Matosinhos, estará patente a exposição na qual Braulio Amado, Kruella D’Enfer, Catarina Glam e Pedro MKK recriam capas de discos de jazz.

O designer Bráulio Amado irá recriar a capa de “Naked City”, álbum do saxofonista norte-americano John Zorn, que data de 1990. Às artistas Kruella D’Enfer e Catarina Glam caberá recriar, respetivamente, os álbuns “Latin in Satin” (1958), da cantora norte-americana Billie Holiday, e “Brilliant Corners” (1957), do pianista norte-americano Thelonious Monk. O fotógrafo Pedro MKK irá recriar a capa de “Getz/Gilberto” (1963), do saxofonista norte-americano Stan Getz e do cantor brasileiro João Gilberto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)