Rádio Observador

PAN

PAN quer erradicar beatas de cigarros no chão. Multas começam nos 500 euros, mas polícia teme não conseguir fiscalizar

4.261

O PAN apresentou um projeto lei para por fim às beatas de cigarros no chão e para isso quer disponibilizar cinzeiros em paragens de autocarro ou à porta dos restaurantes. A lei prevê também multas

A proposta do PAN vai ser votada esta quarta-feira

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Em 2007 passou a ser proibido fumar em espaços fechados. Os fumadores passaram então a criar o conceito “pausa para cigarro”, por norma à porta dos restaurantes, das universidades ou dos escritórios, onde trabalham, estudam ou aproveitam um momento de lazer com os amigos e a família. Problema? O cigarro acaba e é quase sempre atirado para o passeio ou para a sarjeta mais próxima. O PAN quer agora acabar com esse problema ao apresentar um projeto de lei que “regulamenta o fim que deve ser atribuído às pontas de cigarro”. Para isso vai querer aplicar coimas, mas sobretudo pôr fim à “permissividade social”.

Em conversa com o Observador, o deputado do PAN, André Silva, explica que “as beatas são um dos resíduos mais tóxicos” e que “é já o resíduo mais encontrado em zonas costeiras, à frente das palhinhas e das cotonetes”. Uma estimativa de ONGs citadas pelo PAN dão conta de que são atiradas para o chão sete mil beatas por minuto, só em Portugal.

O Pessoas-Animais-Natureza quer agora combater este meio de poluição lançando um conjunto de “obrigações e práticas”, como a disponibilização de cinzeiros à porta de edifícios como os restaurantes, os bares, os edifícios de serviços e ainda as paragens de autocarros, o pagamento de uma “ecotaxa” por parte do produtor dos filtros de tabaco, “à semelhança do que acontece com os produtores de lâmpadas, materiais elétricos, óleos lubrificantes e embalagens de cartão”, exemplifica o deputado e o lançamento de ações de sensibilização de pessoas e comerciantes e de coimas, que ponha fim “à permissividade social”.

Para André Silva, o mais importante não são as multas — que começam nos 500 euros para particulares e nos 9 mil euros para empresas –, mas “criar um efeito de contraordenação que permita quebrar com uma permissividade enorme que existe sobre esta conduta, levando as pessoas a serem mais conscientes para uma atitude que não devem ter. Esta é uma medida que queremos aplicada do ponto de vista pedagógico”, explica o representante do PAN na Assembleia da República.

Polícia não consegue controlar circulação de carros, muito menos as beatas

Quem não vê com bons olhos um aumento de competências é a policia — uma das entidades responsáveis pela fiscalização da lei, a par da ASAE, das autarquias e da Polícia Municipal. Ao Observador, Peixoto Rodrigues, do Sindicato Unificado da PSP, diz: “quando o efetivo já é tão reduzido, estar ainda a aplicar coimas em relação a esta matéria parece-me desadequado”. “É uma matéria mais para as policias municipais”, avisa o sindicalista, reconhecendo que este “é um projeto que vai sensibilizar a população para o meio ambiente”.

Peixoto Rodrigues recorda a norma que impede a entrada de carros antigos no centro de Lisboa, como exemplo de uma medida que a polícia não tem conseguido fiscalizar com eficácia por falta de meios. “Sem mais meios e mais efetivos é muito difícil estar a contribuir para a aplicação das normas emanadas pela Assembleia da República”, destaca o dirigente sindical.

Do Sindicato Nacional de Policia, Armando Ferreira segue a mesma linha e diz que “com a panóplia de missões que a PSP e a GNR têm recebido nos últimos 20 anos, um dia destes não há policia em quantidade suficiente para levar a cabo a missão principal: garantir a segurança pública”.

Do lado do PAN, André Silva, reforça que o objetivo é sobretudo “dissuadir” mas considera que “esta fiscalização será diferente da que já é feita aos mesmos resíduos noutros contextos, por exemplo na prevenção dos incêndios. Agora, se é eficaz essa fiscalização de pessoas que atiram beatas e que possa constituir risco, não é”, diz o deputado, acrescentando que “a componente fiscalizadora é essencial para consciencializar a sociedade para um comportamento que deve ser erradicado”. 

A proposta que vai a debate esta quarta-feira contempla um período transitório de um ano, “para sensibilizar todos os atores” e garantir que os restaurantes, os serviços e os transportes públicos instalem os cinzeiros que o PAN quer que sejam o destino final das beatas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mdias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)