Rádio Observador

Cultura

Casa-Museu Miguel Torga proposta para classificação como monumento de interesse público

A proposta será feita à secretária de Estado da Cultura. A Casa-Museu mantém a disposição da habitação original do escritor, com os espaços sociais no rés-do-chão e os quartos no andar superior.

A Casa-Museu Miguel Torga fica na freguesia de Santo António dos Olivais, concelho e distrito de Coimbra

PAULO NOVAIS/LUSA

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) anunciou esta segunda-feira que vai propor ao Governo a classificação da Casa-Museu Miguel Torga, em Coimbra, como monumento de interesse público.

Em anúncio publicado esta segunda-feira no Diário da República, a DGPC refere que, com fundamento em parecer da Secção do Património Arquitetónico e Arqueológico do Conselho Nacional de Cultura de 16 de janeiro, é sua intenção propor à secretária de Estado da Cultura a classificação como monumento de interesse público da Casa-Museu Miguel Torga, situada na rua Fernando Pessoa, freguesia de Santo António dos Olivais, concelho e distrito de Coimbra.

No documento refere-se que os “elementos relevantes do processo” como fundamentação, despacho, planta com a delimitação do imóvel e da respetiva zona geral de proteção, estão disponíveis nas páginas eletrónicas da Direção-Geral do Património Cultural, Direção Regional de Cultura do Centro – DRCC e Câmara Municipal de Coimbra.

Ainda de acordo com o anúncio, o processo administrativo original está disponível para consulta, mediante marcação prévia, na DRCC, situada na rua Olímpio Nicolau Rui Fernandes, 3000-303 Coimbra. O texto publicado no Diário da República também esclarece que a consulta pública terá a duração de 30 dias úteis.

“Nos termos do artigo 28.º do referido decreto-lei, as observações dos interessados deverão ser apresentadas junto da DRCC, que se pronunciará num prazo de 15 dias úteis”, lê-se no documento da DGPC.

“A Casa-Museu Miguel Torga, residência do escritor Miguel Torga e da sua família na cidade de Coimbra, localiza-se na zona dos Olivais, composta por bairros de moradias, edificados em meados do século XX”, refere a DGPC na sua página oficial na internet. Segundo a fonte, a casa “desenvolve-se numa planta quadrangular, rodeada por jardim, dividindo-se por dois andares”.

“No espaço interior a Casa-Museu mantém a disposição da habitação original do escritor, com os espaços sociais no rés-do-chão e os quartos no andar superior, onde se destacam os objetos que remetem para a figura e a memória de Miguel Torga, nomeadamente o mobiliário, o acervo de arte, composto por pinturas, esculturas, cerâmicas e tapeçarias, e ainda um importante fundo bibliográfico”, acrescenta.

A DGPC refere ainda que, “alguns anos após a morte do poeta, que ocorreu em 1995, a Câmara Municipal de Coimbra adquiriu o imóvel a Clara Crabbé Rocha, filha de Miguel Torga, no intuito de transformar a casa num espaço cultural”. Depois de algumas obras de adaptação, a Casa-Museu abriu ao público em 2007, “estando em vias de classificação desde 2014”, remata.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)