Rádio Observador

Lifestyle

Fãs da melhor carne nacional: é favor reunir na Assembleia

410

A próxima edição das Mesas Bohemia traz a Lisboa um restaurante com nome de instituição democrática, Assembleia, e uma carne, a arouquesa, que é ela própria uma instituição nacional.

Quando se fala em carne de bovino nacional, as opiniões são unânimes: a arouquesa DOP (Denominação de Origem Protegida), obtida a partir de animais da raça autóctone homónima, é das melhores que se produzem por cá. Quiçá a melhor, quando o destino final da peça é a brasa. Um estatuto que não é de hoje, longe disso: já na Exposição Mundial de Paris, em 1878, foi o único produto nacional a ser galardoado.

A sua falta de maior divulgação e consumo em todo o país deve-se ao facto de ser uma carne de produção não massificada, que leva o seu tempo a atingir o ponto ideal para abate. Ou seja, como não há carne arouquesa suficiente para alimentar o país, o grosso da sua produção fica nas casas e restaurantes da sua zona de origem, que, como o próprio nome indica, é Arouca, concelho do distrito de Aveiro.

Ora, em Arouca um dos melhores locais para provar este ex-líbris da região dá pelo nome de Assembleia. E esse mesmo Assembleia que vai fazer uma viagem de 300 quilómetros até Lisboa para se instalar, de 28 a 30 de junho, no belíssimo palácio Sinel de Cordes, no Campo de Santa Clara, em Lisboa. Será aí, no respetivo jardim, que se dará mais uma edição das Mesas Bohemia. E que edição promete ser.

Muita carne na bagagem

Originalmente, e na sua terra-natal, Assembleia é, além de restaurante, um wine bar. Mas em Lisboa vai ser um beer bar. Isto porque a harmonização com os vários pratos escolhidos pelo chef do restaurante, Nuno Costa, se fará, como habitualmente nas Mesas Bohemia, com a família das cervejas que lhe dão nome: as Bohemia.

A coisa vai aquecer desde cedo. Isto porque logo à entrada será servida uma chouriça grelhada da região, acompanhada da Bohemia Puro Malte, cerveja estilo “amber lager”, que casa na perfeição com duas das características do enchido arouquês: a gordura e o fumo.

Abertas as hostilidades, altura para a carne arouquesa brilhar a grande altura. Primeiro, com a Aba de Vitela grelhada no osso com arroz de feijão. Um corte menos conhecido  que outros, mas que vai surpreender — as vitelas arouquesas são tenras como poucas, sendo que o osso ajudará a carne a manter toda a suculência por que é conhecida. À Bohemia Bock, e respetivos aromas tostados, caberá oferecer a harmonização perfeita à experiência.

Já o prato principal não são um mas dois. Porque às mesas chegarão os dois cortes mais icónicos da carne local: a costeleta e a posta, ambas grelhadas na brasa e acompanhadas com batata a murro e legumes, tal e qual se serve na região. É escolher, provar, comparar, e, se possível, escolher o corte favorito. Tarefa difícil, avisamos já à partida. Neste caso, será a “ruiva” da família, a Bohemia Original, a elevar a experiência gastronómica: as suas notas de malte torrado e o final de caramelo vão realçar os sabores da brasa.

Os estômagos, adivinha-se, estarão plenamente satisfeitos por esta altura. Mas será necessário reservar-lhes espaço para um final adocicado. A sobremesa do menu dá pelo nome de Passadiços do Paiva — uma das grandes atrações turísticas da região — e é, também ela, um dos cartões de visita do Assembleia: tratam-se de uns rolinhos crocantes recheados com o doce das famosas Barrigas de Freira de Arouca. Imperdível.

O evento acontece no Jardim da Sede da Trienal de Arquitectura, no Palácio Sinel de Cordes, Campo de Santa Clara, 144. Há três refeições possíveis:jantar, sexta (28) ou sábado (29) às 20h, e almoço domingo (30) às 13h. Preço por pessoa 30€.”

Saiba tudo sobre esta edição das Mesas Bohemia em mesasbohemia.pt ou compre os seus bilhetes para este evento em ticketline.sapo.pt

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)