Rádio Observador

Futebol

A vitória da Inglaterra sobre os Camarões teve muitas lágrimas, uma quase greve e “abortos da justiça”

A Inglaterra venceu os Camarões nos oitavos do Mundial feminino mas o jogo foi muito mais do que isso. As jogadoras camaronesas não aceitaram uma decisão do VAR e quase boicotaram a partida.

As jogadoras da seleção dos Camarões estavam inconsoláveis depois de o VAR considerar legal o segundo golo das inglesas

AFP/Getty Images

Um jogo dos oitavos de final de um Campeonato do Mundo tem sempre a sua quota parte de emoção e nervos à flor da pele. O facto de ser já na fase do “mata-mata”, como lhe chamava Luiz Felipe Scolari, acrescenta às partidas para lá da fase de grupos uma componente de tudo ou nada em que um erro pode ser fatal para as aspirações de uma equipa. O confronto entre Inglaterra e Camarões deste domingo, a contar para o Campeonato do Mundo de futebol feminino, teve tudo isto: emoção, nervos à flor da pele, sensação de tudo ou nada. Mas teve tudo isto a multiplicar por infinito.

Olhando para o resultado final da partida dos oitavos de final do Mundial que decorre em França, a verdade é que a história do jogo parece bastante simples. Inglaterra venceu por 3-0, eliminou os Camarões e está apurada para os quartos de final da competição. Mas o Stade du Hainaut, em Valenciennes, assistiu a muito mais do que isso: na verdade, assistiu a um dos jogos de futebol mais surreais dos últimos tempos. Cedo se percebeu que os níveis de tensão estavam muito acima da média, primeiro com a cotovelada da camaronesa Yvonne Leuko à avançada Nikita Parris e depois com o golo de Steph Houghton ainda durante o quarto de hora inicial, que deu uma vantagem precoce à seleção inglesa.

Os problemas a sério começaram a chegar já perto do intervalo. No quarto minuto de descontos da primeira parte, Ellen White marcou o quarto golo da conta pessoal no Mundial e engrossou a vantagem inglesa — a equipa de arbitragem anulou o golo numa fase inicial, por alegado fora de jogo da avançada do Manchester City, mas o VAR acabou por considerar o lance legal. A seleção dos Camarões reagiu de uma forma surpreendente à validação do golo, com lágrimas e muitos protestos junto da árbitra da partida, e a dada altura pareceu recusar-se a jogar: as jogadoras juntaram-se numa espécie de reunião junto à linha do meio-campo, ao invés de reiniciarem o encontro, e só a mediação feita pela equipa de arbitragem e a capitã camaronesa permitiu recomeçar a partida. Ao intervalo, as jogadoras dos Camarões recolheram ao túnel a chorar compulsivamente.

Só depois de uma conversa entre a capitã camaronesa e a árbitra da partida é que as jogadoras aceitaram recomeçar o jogo

O ambiente ficou ainda mais tenso já na segunda parte, quando o VAR anulou o golo de Ajara Nchout por fora de jogo, e as reuniões de equipa à revelia da árbitra tornaram-se recorrentes até ao apito final. As lágrimas que iam aparecendo na cara das jogadoras dos Camarões intensificaram-se com o aproximar do apito final e o terceiro golo das inglesas, por intermédio de Alex Greenwood, e a falta de discernimento deu origem a entradas perigosas como a de Alexandra Takounda sobre Steph Houghton que colocou a central em dúvida para o jogo dos quartos de final.

Já após o final do jogo, o selecionador inglês Phil Neville — antigo jogador do Manchester United e irmão de Gary Neville — garantiu-se “envergonhado” pelo comportamento da seleção adversária. “Estou completamente e totalmente envergonhado. Nunca vi uma coisa destas num campo de futebol e acho que este tipo de comportamento é muito triste. Pensem em todas as raparigas e rapazes que estavam a assistir”, disse Neville, que se mostrou ainda “orgulhoso” com a reação das inglesas e recomendou à equipa dos Camarões que “coloque o navio em ordem”. “Pareciam crianças quando perdem e agarram na bola para ir para casa a chorar. Foi triste. Tenho de dizer a verdade. Nós vimos pessoas dos Camarões a lutar na zona VIP. Vimos pessoas dos Camarões a lutar no nosso hotel. A seleção tem de colocar o navio em ordem. Nem sequer vou falar sobre o que vi no hotel”, concluiu o selecionador inglês. O assunto é mesmo capa de vários jornais ingleses esta segunda-feira, com a palavra “vergonha” a ser comum a quase todas as manchetes.

Já Alain Djeumfa, o treinador dos Camarões, rejeitou a ideia de que as jogadoras se recusaram a recomeçar a partida e falou num “aborto da justiça”. “Acho que nunca parámos e recusámos jogar. Ocasionalmente, quando se está neste estado de choque, podemos perder a calma, mas não acho que as jogadoras tenham recusado jogar. Sim, tivemos um momento em que pensámos em abandonar o campo, mas graças a Deus fui capaz de permanecer calmo. Era muita paixão. Às vezes os árbitros cometem erros mas esta equipa de arbitragem cometeu muitos erros”, explicou o selecionador camaronês.

Pré-anúncios de greve, lágrimas e conferências de imprensa quase surreais à parte, a verdade é que Inglaterra está mesmo nos quartos de final do Mundial de futebol feminino e vai defrontar a Noruega, que bateu a Austrália nas grandes penalidades, já na próxima quinta-feira. Também nos quartos de final estão a Alemanha, que eliminou a Nigéria (3-0), e a França, que afastou o Brasil (2-1). Ainda esta segunda-feira, Espanha defronta os Estados Unidos e a Suécia encontra o Canadá e esta terça-feira Itália e China e Holanda e Japão discutem os últimos lugares dos quartos de final.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)