Rádio Observador

Mercado Imobiliário

Concorrência abre investigação à compra dos fundos Saudeinveste e IMOFID pela Fidelidade

"A AdC decidiu abrir uma investigação aprofundada à operação de concentração que envolve a aquisição de controlo exclusivo, pela Fidelidade, de dois fundos de investimento imobiliário".

Esta é a segunda investigação aprofundada a operações de concentração que a AdC decide desde o início do ano

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Autoridade da Concorrência (AdC) abriu uma “investigação aprofundada” à operação de concentração que envolve a compra dos fundos de investimento imobiliário Saudeinveste e IMOFID pela Fidelidade, foi anunciado esta sexta-feira.

“A Autoridade da Concorrência (AdC) decidiu abrir uma investigação aprofundada à operação de concentração que envolve a aquisição de controlo exclusivo, pela Fidelidade, de dois fundos de investimento imobiliário, anteriormente geridos por uma sociedade gestora de fundos do grupo CGD [Caixa Geral de Depósitos]”, avançou, em comunicado, a entidade presidida por Margarida Matos Rosa.

Na análise desta operação, a AdC considerou a “sua dimensão vertical”, tendo em conta que parte dos ativos imobiliários são utilizados “em regime de arrendamento, por operadores hospitalares privados concorrentes da Luz Saúde, empresa que integra o grupo Fidelidade, que passará a deter a gestão dos referidos fundos”.

A AdC decidiu assim dar início a esta investigação por considerar que, “perante os elementos recolhidos até ao momento, não se pode excluir” que a operação resulte em “entraves significativos à concorrência efetiva no mercado”, tendo em conta que foi identificada a possibilidade de vir a ocorrer “um encerramento do mercado aos operadores concorrentes da Luz Saúde que dependem daqueles ativos imobiliários”.

De acordo com a Lei da Concorrência, após as diligências da investigação, a AdC pode decidir não se opor ao negócio, se concluir que a operação, tal como notificada, “não é suscetível de criar entraves significativos à concorrência nos mercados”, ou proibir o negócio se determinar que a concentração é suscetível de criar os referidos entraves, “com prejuízos para os utentes das unidades de cuidados de saúde hospitalares privadas”.

Esta é a segunda investigação aprofundada a operações de concentração que a AdC decide desde o início do ano, após ter passado, em maio, a investigação a operação que envolve o Hospital São Gonçalo de Lagos pelo Grupo Particular do Algarve.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)