A maioria dos trabalhadores por conta de outrem recebe menos de mil euros de ordenado mensal. Os números são do Ministério do Trabalho e reportam ao final de 2017, altura em que quase dois terços dos cerca de 2,1 milhões de trabalhadores naquela categoria — ou seja, 1,3 milhões de pessoas — não chegavam aos mil euros por mês quando somados salário base, prémios, subsídios e outros complementos. Os mesmos dados revelam que a grande maioria dos portugueses recebe salários entre os 600 e os 750 euros mensais. A notícia é avançada pelo Correio da Manhã (conteúdo só para assinantes).

Segundo o jornal, são mais de 678 mil pessoas as que recebem estes últimos valores mensais e representam a maior fatia quando se analisa os vencimentos dos portugueses por escalões. Na fatia seguinte — entre 750 e mil euros mensais — estão pouco mais de 515 trabalhadores. Em terceiro lugar no número de trabalhadores, surgem os ordenados entre mil e 1500 euros, que perfazem um total de 390 mil trabalhadores.

Continuando a subir na tabela, quanto mais alto o rendimento mensal, menor o número de trabalhadores que os aufere. Assim, segue-se o escalão de salários entre os 1500 e os 2500 euros com 235 mil trabalhadores. Com mais de 5 mil euros mensais existem 18 mil trabalhadores por conta de outrem.

Feitas as contas, o salário médio mensal situava-se nos 1133 euros no final de 2017. Mas, na verdade, apenas sete dos 18 distritos portugueses apresentavam valores médios acima dos mil euros: Lisboa, Aveiro, Beja, Coimbra, Leiria, Porto e Setúbal.

O jornal escreve ainda que a análise aos quadros de pessoal permite concluir que a atualização do salário mínimo nacional (600 euros) empurrou os trabalhadores com vencimentos mais baixos para os patamares imediatamente superiores. Enquanto que  em 2007 havia 688 mil as pessoas a receber ordenados entre o salário mínimo (então de 403 euros) e os 600 euros, dez anos depois, são apenas 67 mil.

Rádio Observador