Rádio Observador

MINI

Mini eléctrico não vai (muito) longe: 270 km de autonomia

O primeiro eléctrico de nova geração da Mini foi oficialmente apresentado. Tal como previsto, a imagem continua a ser o maior dos seus trunfos, já a autonomia fica um pouco aquém: entre 235 e 270 km.

A Mini revelou o seu primeiro modelo movido exclusivamente a bateria, o Cooper SE, cujo melhor cartão de apresentação continua a ser a imagem que tantos apaixona. Porém, como a transição para a mobilidade eléctrica é, habitualmente, uma escolha mais racional que emocional, não deixa de surpreender a ambição do construtor britânico, no que à autonomia diz respeito.

Dados ainda provisórios, apontam para uma autonomia entre os 235 e os 270 km, o que coloca o Mini praticamente em pé de igualdade com os mais pequenos (e mais baratos) Volkswagen e-up!, Seat Mii Electrice e Skoda Citigoe iV. Com outra coincidência: todos eles estarão no mercado no início de 2020.

Para construir o Cooper SE, a Mini pegou na plataforma de tracção dianteira da nova geração do hatchback e adaptou-a de forma a poder acolher a componente eléctrica. O pack de baterias com uma capacidade de 32,6 kWh está disposto em “T” no lugar do túnel de transmissão e no espaço entre os bancos da frente e os de trás, pelo que em termos de medidas nada se altera, excepção feita para a altura (+18 mm). Esta opção não penaliza a volumetria da bagageira, que se mantém inalterada face à versão com motor térmico. Ou seja, 211 litros que podem crescer até aos 731 mediante o rebatimento dos bancos traseiros.

O motor está colocado no eixo da frente, sendo o mesmo do BMW i3S. Debita 184 cv e um binário máximo de 270 Nm, estando limitado a 150 km/h, para preservar o alcance. Pela mesma razão, o Cooper SE é o primeiro eléctrico do grupo alemão a oferecer a função one pedal – uma solução que persegue o mesmo objectivo do Nissan Leaf, o primeiro a introduzir esta funcionalidade com o argumento (teórico) de que a travagem regenerativa é mais eficaz.

Mas porque, apesar de estarmos perante um EV, a Mini não quer que os seus clientes abdiquem de uma condução mais desportiva, se assim o entenderem, o Cooper SE propõe quatro modos de condução (Sport, Green, Green + e Mid), com eles fazendo variar a direcção, a resposta ao acelerador e… a autonomia. Mais uma vez, o eléctrico britânico coloca-se exactamente no mesmo patamar dos concorrentes que também estão por chegar. Basta recordar, por exemplo, que os primeiros eléctricos da PSA (DS 3 Crossback E-Tense, Opel Corsa-e e Peugeot e-208) também fazem variar o alcance em função do modo de condução seleccionado, apesar de todos eles reivindicarem autonomias substancialmente superiores às do Mini a bateria.

Praticamente idêntico ao Mini “normal” de três portas, a frente do Cooper SE distingue-se sobretudo pelos faróis em LED e pela grelha “fechada” com apontamentos a amarelo e o contorno cromado. De lado, sobre a roda traseira do lado direito, o logótipo que distingue esta variante sinaliza o local onde se encontra a tomada de carga (CCS combo 2). Na melhor das hipóteses, a operação tarda 35 minutos para obter 80% da capacidade da bateria, isto se num posto de carregamento a 50 kW. Num ponto de carga a 11 kW é preciso esperar três horas para colocar de nova a bateria nos 100%, ou duas horas se 80% for suficiente para o condutor. Fora isso, à semelhança de outros produtos já no mercado, o Cooper SE pode ser carregado numa tomada doméstica ou numa wallbox.

Por dentro, o destaque vai para o novo painel de instrumentos digital de 5,5 polegadas, onde surgem os dados mais relevantes para este tipo de motorização, sendo que a informação exibida e a iluminação variam de acordo com o modo de condução activado.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)