Rádio Observador

Facebook

EUA. Líder da Fed preocupado com a moeda digital do Facebook

É mais um obstáculo à criptomoeda do Facebook, que tem apoio da Farfetch. O líder da Reserva Federal afirmou que a criptomoeda Libra levanta dúvidas "bastante sérias".

Mark Zuckerberg quando foi ouvido no Congresso dos EUA depois de ter sido revelado o caso Cambridge Analytica

MICHAEL REYNOLDS/EPA

O Congresso dos EUA já enviou uma carta a Mark Zuckerberg, presidente executivo e fundador do Facebook, a pedir para parar o desenvolvimento da Libra, a moeda digital que conta com o apoio de empresas como a Farfetch, Visa e Uber. “Tem como propósito ser rival do dólar”, disse o órgão legislativo. Agora, foi a vez da Reserva Federal, o Fed — equivalente dos EUA ao Banco Central Europeu. Jerome Powell, responsável pela entidade que emite o dólar, afirma que “a Libra levanta questões sérias de privacidade, lavagem de dinheiro, proteção dos consumidores e estabilidade financeira”, avançou a CNBC.

O Facebook anunciou a criptomoeda Libra (o nome é assim também em inglês) em junho. A rede social vai utilizar a tecnologia blockchain (que permite efetuar transações virtuais entre pessoas e organizações sem intermediários), comum a estas tecnologias e criou uma subsidiária chamada “Calibra” para o investimento nesta moeda digital. Além disso, a Calibra vai fazer parte da “Rede Libra”, associação que conta com a participação de empresas como a Visa, Vodafone, Uber, Ebay, Spotify e o unicórnio (startup avaliada em mais de mil milhões de dólares) português sediado em Londres, a Farfetch.

Segundo Powell, o novo modelo de transações que está a ser promovido pelo Facebook cria “dúvidas que devem ser estudadas profundamente e tratadas publicamente”. Para o responsável do Fed, é preciso ter cuidado com esta criptomoeda que vai competir com as Bitcoin e não apressar o projeto. O Facebook quer disponibilizar a Libra já em 2020. Powell afirma ainda que sem o consenso dos legisladores e reguladores o projeto da Libra “não pode avançar”.

O Facebook tem recebido várias críticas por querer criar uma nova moeda digital que pode abalar o atual sistema económico. Zuckerberg e outros responsáveis da empresa que detém a rede social com o mesmo nome e outras plataformas como o Instagram e o WhatsApp podem ter falado com legisladores antes de ter anunciado a Libra, mas este projeto tem recebido várias críticas.

A moeda digital do Facebook tem como objetivo facilitar a transação de dinheiro globalmente. À semelhança de outras carteiras digitais, o Facebook quer que quem adira possa “guardar, transferir e gastar a Libra” em transações como comprar um café ou bilhetes de metro. Quando for lançada, as transferências com a libra vão ter “um custo zero ou muito reduzido” para quem tenha um smartphone.

As criptomoedas são unidades de dinheiro digital que utilizam como base a tecnologia blockchain. Esta inovação tem gerado bastante interesse entre os investidores — e assustado a banca. Em 2018, a bitcoin, criptomoeda mais conhecida, bateu recordes, com os primeiros investidores a tornarem-se multimilionários. Depois, desceu a pique — mantendo, mesmo assim, uma valorização de cerca de dois mil euros — para, agora, estar de novo a subir (atualmente, uma bitcoin vale quase 11 mil euros). Contudo, as quedas num espaço de horas de oscilação de valor desta moeda rondam, por vezes, os milhares de euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)