Rádio Observador

Violência

Papua Nova Guiné: 15 crianças e mulheres, algumas grávidas, mortas em massacre tribal

O massacre de segunda-feira na aldeia da Papua Nova Guiné, foi o caso mais sangrento de uma escalada de violência potenciada pelo fácil acesso das tribos às armas de fogo. Já morreram 24 pessoas.

O novo primeiro-ministro da Papua Nova Guiné, James Marape, queixa-se da falta de recursos policiais no país

AFP/Getty Images

Pelo menos 24 pessoas foram assassinadas nos últimos dias na Papua Nova Guiné em massacres motivados por conflitos tribais, noticia a AFP. O episódio mais mortífero foi um massacre na segunda-feira no qual morreram pelo menos 15 crianças e mulheres, duas delas grávidas, de acordo com o The Guardian.

Os ataques resultam de um escalar da violência tribal naquela região daquela país da Oceânia, que nos últimos anos tem sido palco de lutas sangrentas entre tribos, assassinatos e violência sexual — e o acesso cada vez mais facilitado às armas de fogo só veio piorar o cenário.

O massacre de segunda-feira ocorreu nas aldeias de Munima e Karida, na província de Hela, precisamente a região pela qual foi eleito o atual primeiro-ministro da Papua Nova Guiné, James Marape. O governante, que assumiu a liderança do país em maio deste ano, já confirmou o ataque, apontou culpados e disse que este foi “um dos dias mais tristes” da sua vida.

Numa publicação no seu perfil do Facebook, James Marape escreveu que “muitas crianças e mães inocentes foram mortas nas aldeias de Munima e Karida, no meu círculo eleitoral, por homens armados [das tribos] Haguai, Liwi e Okiru”.

“Como é que uma província com 400 mil habitantes pode funcionar com apenas 60 agentes da polícia nas autoridades, com operacionais militares ocasionais e uma polícia que não faz mais do que manutenção de pensos rápidos”, questionou o primeiro-ministro na mesma publicação, em que garantiu que não tem “medo de usar as medidas mais fortes” para punir “os criminosos que mataram pessoas inocentes”.

“Aos Haguai, Okiru e Liwi, bem como a outros em Tari que têm vivido à custa de matar outros, eu vou atrás de vocês”, ameaçou James Marape no Facebook.

Em declarações ao jornal britânico The Guardian, o agente da polícia Philip Pimua, responsável pelo centro de saúde da aldeia de Karida, descreveu o momento em que testemunhou o ataque dos homens armados.

“Acordei de manhã, fui acender o lume na cozinha e ao mesmo tempo ouvi o som de armas. Depois, vi que algumas casas estavam a arder, por isso soube que os inimigos já estavam dentro da aldeia. Por isso, fugi e escondi-me nos arbustos. Depois, mais tarde, por volta das 9h ou 10h, voltei e vi os corpos cortados em pedaços e as casas ardidas”, disse Philip Pimua.

A população da aldeia teve dificuldades em reconhecer muitos dos mortos, tal não era o estado dos cadáveres. “Estavam cortados aos pedaços. Não conseguimos reconhecer várias partes dos corpos, quais eram de quem. Só reconhecemos as caras”, detalhou o agente da polícia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)