Rádio Observador

Combustível

Greve dos motoristas. Sindicatos confirmam ameaça e entregam pré-aviso de greve para 12 de agosto

285

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas, que em abril paralisou o país, entregou pré-aviso de greve para 12 de agosto. A ANTRAM vai continuar a negociar com a FECTRANS.

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

Era apenas uma ameaça, acompanhada de um pedido de desculpas (por antecipação). Nesta segunda-feira a possibilidade de uma greve dos (únicos) motoristas que podem transportar combustíveis tornou-se mais real. O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), que em abril paralisou o país durante dias, e o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) entregaram esta segunda-feira um pré-aviso de greve para 12 de agosto.

A decisão foi tomada no decorrer de uma reunião entre a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e as estruturas sindicais, na sede da Direção Geral das Relações do Trabalho (DGERT), do ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, em Lisboa.

À saída da reunião, mais uma vez, acusações mútuas. Pedro Pardal Henriques, vice-presidente do Sindicato Nacional das Matérias Perigosas, garantiu que a ANTRAM está a mentir e que a associação que representa as empresas do setor não quer reconhecer o aumento gradual que tinha prometido.

“Se a ANTRAM voltar atrás nesta postura ridícula que está a ter de dar o dito por não dito, a greve será desconvocada, [mas] se a ANTRAM mantiver esta postura de não aceitar cumprir aquilo a que se comprometeu com os motoristas, a greve será realizada”, reiterou o vice-presidente do diz contar com o apoio de sindicatos espanhóis.

A ANTRAM devolve a acusação, apontando ao sindicato a intenção de “novamente ludibriar a comunicação social e aquilo que estava em cima da mesa nas negociações”. André Matias Almeida, advogado e representante da associação dos transportadores, remete para os protocolos assinados que, segundo a ANTRAM, “desmentem” o Sindicato Nacional das Matérias Perigosas.

A dividir trabalhadores e patrões estão as condições remuneratórias. Os representantes dos motoristas pretendem um acordo para aumentos graduais no salário-base até 2022: 700 euros em 2020, 800 euros em 2021 e 900 euros em 2022. Com os prémios suplementares que estão indexados ao salário-base, daria 1.400 euros no próximo ano, 1.550 euros em 2021 e 1.715 euros no ano seguinte.

A associação que defende as transportadoras sugere um aumento de 300 euros para o próximo ano, mas não avançou com propostas nesta reunião porque “ninguém pode negociar sob ameaça e sob pressões constantes de pré-aviso de greve”, afirmou aos jornalistas André Matias Almeida. “O Sindicato das Matérias Perigosas quer discutir uma greve para este ano relativamente a um aumento que não negociou para 2022”, apontou ainda.

As negociações, no entanto, continuam noutra frente, com a FECTRANS — Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações, afeta à CGTP, que decidiu não avançar com a greve. A ANTRAM vai enviar propostas esta terça-feira e o processo vai continuar “num ambiente normal, de boa fé negocial”, garante André Matias Almeida.

Questionado pelos jornalistas se iria juntar-se à greve, José Oliveira, da FECTRANS, disse que tudo dependerá “do que for o desenvolvimento desta negociação”.

O SNMMP e o SIMM anunciaram no dia 6 uma paralisação, com início a 12 de agosto. Os dois sindicatos independentes, juntamente com a federação sindical filiada na CGTP, têm vindo a negociar com a associação empresarial do setor, a ANTRAM, a revisão do contrato coletivo, sob a mediação da Direção Geral do Emprego e Relações de Trabalho do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

O SNMMP foi criado no final de 2018 e tornou-se conhecido com a greve iniciada a 15 de abril, que levou o Governo a decretar uma requisição civil e, posteriormente, a convidar as partes a sentarem-se à mesa para negociações. A elevada adesão à greve de três dias surpreendeu todos, incluindo o próprio sindicato, e deixou sem combustível grande parte dos postos de abastecimento do país.

(Atualizada às 22:15)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)