Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Profissionais do SNS com acesso gratuito a informação científica a partir de 4 de outubro

1.958

A iniciativa arranca no aniversário dos 120 anos da Direção-Geral da Saúde e representa um investimento de cerca de um milhão de euros anuais.

O governante disse estar convencido que irá recuperar-se "muito rapidamente" o que "se vai gastar a mais"

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Os profissionais de saúde do Serviço Nacional de Saúde vão ter acesso gratuito a informação cientificamente validada a partir de outubro, um projeto orçado em cerca de um milhão de euros anuais que visa a prestação de melhores cuidados.

A informação foi avançada à agência Lusa pelo secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, precisando que a iniciativa arranca a 4 de outubro por uma “razão simbólica”: o aniversário dos 120 anos da Direção-Geral da Saúde.

A informação sobre saúde baseada na “melhor evidência científica” será disponibilizada ‘online’, através de sistemas de apoio à decisão clínica, uma forma de garantir a formação contínua aos profissionais.

Francisco Ramos adiantou que a plataforma concretiza um protocolo assinado no ano passado entre o Ministério da Saúde e a Ordem dos Médicos que visa facilitar o acesso à literatura e informação clínica por parte dos profissionais de saúde.

“É uma forma de melhorar a informação científica dos profissionais e o primeiro retorno que se espera é obter uma melhor prática”, nomeadamente uma melhor prescrição de medicamentos e dispositivos médicos, uma tomada de decisão mais informada e a prestação de melhores cuidados de saúde.

O governante disse estar convencido que irá recuperar-se “muito rapidamente” o que “se vai gastar a mais, cerca de um milhão de euros por ano”, com “uma prescrição mais informada e mais adequada”.

Na segunda-feira foi dado “mais um passo” com a entrada em vigor do acordo-quadro que selecionou os fornecedores habilitados a disponibilizar informação certificada, permitindo agora desenvolver os processos de aquisição para estes serviços e disponibilizar a todos os profissionais de saúde do SNS o acesso a “quatro grandes plataformas” de informação clínica.

“Hoje, a situação é que em cada hospital há acesso a alguma plataforma de informação clínica”, um “processo atomizado” que será substituído por este procedimento centralizado para os médicos, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos e nutricionistas do SNS.

Segundo Francisco Ramos, o projeto será alargado numa segunda fase a todos os profissionais de saúde a trabalhar em Portugal, cujas ordens estejam disponíveis para fazer protocolos com o Ministério da Saúde, e “ao longo do tempo, eventualmente começando já no próximo ano, chegar também aos cidadãos”.

“Este é um processo que vai demorar tempo porque hoje há literatura científica sobre praticamente todos os problemas de saúde, mas transformar esses textos numa linguagem acessível ao comum dos mortais é uma coisa suficientemente difícil para demorar tempo”, sublinhou.

As plataformas vão “descodificar a linguagem científica para linguagem corrente e o nosso objetivo é prosseguir esse trabalho com a garantia técnica da Direção-Geral da Saúde e progressivamente ir disponibilizando a todos os portugueses textos científicos numa linguagem acessível para aumentar a literacia em saúde tão reclamada” e a capacitação para poderem fazer as melhores escolhas em saúde.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

O Seguro Público de Saúde

Fernando Leal da Costa

O seguro público é uma questão de esquerda contra a direita? Não é! Será impopular? Provavelmente para uma parte da população. Os Portugueses não gostam de pagar. Quem gosta?

Serviço Nacional de Saúde

A Saúde de que precisamos

Fernando Leal da Costa
107

Hoje por hoje, precisamos é de pessoas competentes e eficientes, de estruturas amigas dos profissionais e dos utentes, de acesso em tempo útil e verdade. Não se gaste mais dinheiro em estudos inúteis.

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)