Rádio Observador

Futebol

Para Ronaldo não há jogos a brincar, para Kane nem tudo é a sério: Tottenham vence Juventus com golo do meio-campo

Se é assim fora de campo, não poderia deixar de ser nos particulares: para Ronaldo, tudo conta e o avançado marcou ao Tottenham antes de ver nova reviravolta com golo de Kane do meio-campo (3-2).

Ronaldo marcou o golo da Juventus que fez a reviravolta, saiu aos 62' e viu do banco nova viragem no resultado do Tottenham

Getty Images

A goleada do Chelsea frente ao Arsenal na final da Liga Europa permitiu que os blues terminassem da melhor forma a temporada passada mas foi também um marco para Maurizio Sarri, que conquistou ali o primeiro troféu da carreira num dia onde as notícias andaram muito à volta de um encontro numa esplanada de hotel em Baku entre Andrea Agnelli, presidente da Juventus, e Bruce Buck, líder da formação inglesa. Umas semanas depois, aquilo que foi um mero rumor durante dias a fio concretizou-se mesmo e o antigo treinador do Nápoles acabou mesmo por regressar à Serie A através dos bianconeri.

Aos 60 anos, o antigo bancário que só por volta dos 40 é que decidiu assumir mais a sério o futebol tem agora a maior missão da carreira, com tanto de desafiante como de “ingrata”. Olhando para o percurso de Massimiliano Allegri ao longo de cinco épocas na Vecchia Signora, com outros tantos Campeonatos ganhos, quatro Taças e duas Supertaças, o nível da atual Juve coloca a fasquia sempre no topo dos topos – ganhar títulos internos é, mais do que uma conquista, uma obrigação, e tudo gira em torno do sonho de voltar a ser o melhor da Europa na Champions. Para que nada falte, os transalpinos viram apenas sair Barzagli (que terminou a carreira), Spinazzola (Roma) e Cáceres (que estava emprestado) mas foram reforçados com De Ligt, Buffon, Rabiot, Ramsey ou Pellegrini, entre outros. Um plantel de luxo que tem ainda a maior das estrelas: Cristiano Ronaldo.

“Quero que os jogadores se divirtam porque acredito que, caso isso aconteça, é provável que um atleta consiga render mais. Nos primeiros 70 metros do campo quero a minha organização, nos últimos 30 vou querer ver o talento deles”, comentou o técnico em Singapura na antecâmara do primeiro ensaio com o Tottenham, na International Champions Cup, antes de falar também sobre o posicionamento em campo do português: “Cristiano ganhou tudo arrancando ligeiramente da esquerda. De início o objetivo será que ele comece a partir dessa posição, mas com as suas qualidades, movê-lo dez metros não mudaria nada”.

Os posicionamentos de alguns jogadores não foram os mesmos mas os nomes que iniciaram a partida frente ao vice-campeão europeu não mudaram muito, com Bernardeschi mais no apoio a Ronaldo e Mandzukic com Pjanic, Emre Can e Matuidi no meio-campo. E como para o português não há jogos a brincar, logo aos seis minutos conseguiu arrancar o primeiro grande momento em Singapura com uma jogada onde passou por vários adversárias e acabou a tentar um pontapé de bicicleta onde falhou na bola. Mais tarde, em boas condições para o remate após passe de João Cancelo, atirou ao lado. Ainda na primeira parte, na sequência de um grande cruzamento de Matuidi, falhou o tempo de salto e perdeu mais uma boa oportunidade na área. As coisas não estavam a correr da melhor forma e o Tottenham inaugurou mesmo o marcador por Lamela (31′).

Ronaldo teve duas hances na primeira parte mas não marcou. À terceira foi de vez (Yong Teck Lim/International Champions Cup/Getty Images)

No entanto, se existe uma característica que define o capitão da Seleção como jogador é a sua competitividade. Aliás, muitos são os companheiros e antigos colegas que, quando falam da progressão do avançado, recordam a sua vontade férrea de ganhar nem que seja num jogo a feijões de matraquilhos ou ténis de mesa. Se é assim fora de campo, é ainda mais dentro das quatro linhas e, já com Higuaín em campo, a Juventus necessitou de menos de cinco minutos para dar a volta ao resultado: primeiro foi o argentino a concluir uma boa combinação ofensiva que passou pelos pés do português, de Pjanic e de Bernardeschi (56′); depois foi Ronaldo, com um remate de primeira na passada após cruzamento rasteiro de De Sciglio (60′).

Dois minutos depois, o número 7 saiu para dar lugar a Matheus Pereira, numa paragem que serviu ainda para lançar o estreante De Ligt na equipa. E o Tottenham ainda conseguiria mesmo dar a volta de novo ao marcador: Lucas Moura desviou na área um cruzamento já em queda e fez o empate (65′) e Harry Kane, no segundo minuto de descontos e já depois de boas oportunidades para ambas as formações falhadas, marcou o 3-2 final com um remate do meio-campo a 50 metros para golo que se calhar não arriscaria se fosse uma partida oficial mas que resultou na perfeição e encerrou da melhor forma a partida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)