Rádio Observador

Smartphones

Smarphone dobrável da Samsung é lançado “a partir de setembro”

O smartphone da Samsung com ecrã dobrável, o Galaxy Fold, era para ser lançado em abril. Tinha defeitos de fabrico e o lançamento foi adiado. Nova data é "a partir de setembro".

O smartphone tinha como data de lançamento inicial 26 de abril. Deve custar cerca de dois mil euros

O Galaxy Fold, o primeiro smartphone com ecrã dobrável da Samsung (que deverá custar cerca de 2 mil euros) teve o lançamento adiado a quatro dias do lançamento (26 de abril) por defeitos no produto. Em comunicado enviado às redações, a Samsung diz que “prepara um novo lançamento do Galaxy Fold a partir de setembro”, sem dia em concreto.

O primeiro smartphone com ecrã dobrável da empresa sul-coreana chegou a ser testado por analistas e jornalistas, mas depois de partilhas no Twitter que revelavam que o produto era frágil e que a película protetora do ecrã tinha defeitos, a Samsung optou por recolher todos os produtos. A empresa afirma que “após algum tempo a investigar e analisar detalhadamente o design do seu equipamento dobrável, implementou as melhorias necessárias e submeteu o Galaxy Fold a testes rigorosos para avaliar as alterações realizadas”.

As melhorias feitas ao equipamento tiveram em contas as críticas apontadas em abril: “O prolongamento da camada protetora superior do ecrã Infinity Flex além da moldura (bezel), deixando assim claro que esta é parte integrante da estrutura do ecrã, e não pode ser removida” (esta película, na primeira versão, deixava espaço para dúvida e foi retirada por analistas); “A incorporação de reforços adicionais no Galaxy Fold para melhor o proteger de partículas externas, mantendo a experiência dobrável que o distingue” (houve quem se queixasse que entravam detritos no equipamento”. Além disto, “a dobradiça foi fortalecida com novas tampas de proteção”, “foram incluídas camadas de metal adicionais sob o ecrã Infinity Flex para reforçar a proteção do ecrã” e “foi reduzido o espaço entre a dobradiça e o corpo do Galaxy Fold”, afirma ainda a Samsung.

DJ Koh, presidente executivo da empresa, revelou em julho, numa entrevista com jornalistas, na qual o Observador participou, que “mais de dois mil equipamentos” estavam a ser testados para preparar uma nova data de lançamento. “Assumo que me escapou alguma coisa”, disse ainda quanto ao lançamento falhado. Agora, a Samsung diz que já “está a realizar os testes finais de produto” para poder lançar o equipamento.

A Samsung revelou o Galaxy Fold em fevereiro, depois de disponibilizar a alguns jornalistas norte-americanos algumas unidades do smartphone, para que o analisassem antes do lançamento oficial, prática corrente na imprensa tecnológica. Foi nesta altura que começaram a surgir no Twitter as primeiras queixas quanto à resistência do dispositivo.

Mais do que um jornalista removeu uma película protetora do ecrã que não devia ser retirada, mas, como era parecida com as proteções de plástico tradicional anti-riscos, induziu alguns analistas em erro, o que levou a danos no ecrã. Além disso, como foi o caso do The Verge, houve quem se queixasse que o ecrã tinha na dobra interior uma curva que permite a entrada de detritos, danificando-o.

A Samsung justificou na altura que ia analisar estas unidades de teste e avisar claramente os consumidores de que a película não devia ser removida, mas manteve a afirmação quanto à resistência do Galaxy Fold, que “aguenta mais de 200 mil dobras e desdobras (ou cerca de cinco anos de utilização, se utilizado 100 vezes podia)”.

O Samsung Galaxy Fold ia chegar ao mercado europeu a 3 de maio, numa lista de apenas alguns países, como Inglaterra, Alemanha ou França, na qual Portugal não se encontrava incluído. Depois de o Mate X, o smartphone com ecrã dobrável da Huawei, também ter sido cancelado devido à guerra comercial entre os EUA e a China, apenas a Royole, uma empresa chinesa, tem à venda um smartphone com esta tecnologia, o Flexpai.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)