Rádio Observador

Caixa Geral de Depósitos

Execução de Berardo e queixa sobre Vale do Lobo. Macedo não comenta, mas explica como se faz

Presidente da Caixa não quis falar sobre caso Berardo, mas fez um guia sobre o que o banco pode fazer, e está a fazer, para recuperar dívida de grandes devedores e responsabilizar ex-gestores.

Paulo Spranger / Global Imagens

Com os resultados semestrais a serem apresentados um dia depois de se saber que os bancos tinham obtido por ordem judicial o arresto da coleção de arte de Joe Berardo, o tema dominou as perguntas feitas ao presidente da Caixa Geral de Depósitos esta terça-feira.

Paulo Macedo recusou sempre falar de casos concretos, mas acabou por fazer um guia sobre o que é que um banco pode fazer quando clientes, grandes devedores, deixam de pagar os empréstimos. Para o presidente da Caixa, vale a pena “sistematizar” ao oito tipos de ações que podem ser adotados e que estão sê-lo, nomeadamente no caso da execução da dívida do empresário madeirense, ainda que o banco não confirme, apesar de algumas serem públicas como decisões judiciais.

  • Execução dos devedores
  • Execução dos colaterais (garantias) reais
  • Execução de avalistas
  • Pesquisa de bens de devedores
  • Pesquisa de bens de entidades controladas
  • Análise e desagregação da personalidade jurídica das entidades e seus acionistas
  • Queixa crime em caso de indícios de crime, nomeadamente, por burla
  • Cooperação com outros bancos e com as autoridades.
  • E negociar com os devedores porque essa também é uma forma de o banco se ressarcir.

Paulo Macedo adotou a mesma postura pedagógica sobre o que Caixa pode fazer se quiser responsabilizar ex-gestores que decidiram créditos que se vieram a revelar ruinosos. A pergunta era sobre a operação de Vale do Lobo. Ainda que neste procedimento, haja menos experiência sobre os passos que devem ser seguidos.

  • Avaliar em que casos é que podem existir indícios de má gestão, passível de responsabilidade civil, ou até crime.
  • A vontade do acionistas que já a manifestou no sentido de a Caixa apurar responsabilidades
  • Análise jurídica dos casos, e aqui comentou Paulo Macedo, aparecem as referências aos escritórios de advogados.
  • Análise financeira das operações.
  • Analisar as informações que constam do relatório da comissão parlamentar de inquérito à Caixa e que o banco ainda não tinha.
  • Avaliar a informação que esteja disponível sobre o inquérito crime à concessão de créditos na Caixa que o Ministério Público abriu em 2016.
  • Informação disponível sobre contraordenações do Banco de Portugal a esses gestores.
  • Promoção do contraditório, ouvindo as pessoas em causa.
  • Apresentação de propostas ao acionista para cada caso.

Dito isto, o presidente da Caixa pouco disse sobre o ponto de situação destes processos. Confirmou que já tinha no seu mandato feito participações criminais sobre créditos da Caixa e garantiu que não haverá prescrições de eventuais crimes por causa do tempo que demora a análise que o banco está a fazer para cada caso. Reconheceu que operações com 19 e 20 anos já prescreveram.

Apesar da informação nova que veio da comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo reafirmou que esta iniciativa política teve um impacto negativo na reputação do banco que caiu dez pontos, passando a ser, pela primeira vez, inferior ao dos outros bancos. A comissão de inquérito também provocou a perda de foco dos gestores da área comercial.

A Caixa é responsável por cerca de 50% das notícias sobre a banca e como a generalidade das notícias sobre a banca é negativa….”

Considerando um excesso as três comissões de inquérito que tiveram a Caixa como alvo nesta legislatura, o presidente do banco admitiu contudo que a culpa deve ser apontada não ao Parlamento, mas sim aos que pelas decisões tomadas e comportamentos estiveram na origem dos prejuízos que obrigaram à recapitalização da Caixa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)