Rádio Observador

Hong Kong

Alain Robert, o “homem-aranha” francês, escalou um prédio de 68 andares em Hong Kong num apelo à paz

Alain Robert é conhecido por escalar edifícios com dezenas de andares. Desta vez, escolheu o Cheung Kong Center, de 68 andares, para exibir as bandeiras da China e Hong Kong juntas, num apelo à paz.

Alain Robert, de 57 anos, já tinha escalado este edifício duas vezes. A bandeira mostrava ainda um aperto de mão, um símbolo de incentivo ao fim dos conflitos

SOUTH CHINA MORNING POST HANDOUT/EPA

Autores
  • Agência Lusa

O “homem-aranha” francês Alain Robert escalou esta sexta-feira um edifício de 68 andares em Hong Kong para deixar uma “bandeira da paz”, quando o território enfrenta a pior crise política das últimas décadas.

O francês trepou ao Cheung Kong Center, no distrito financeiro da cidade, e desenrolou uma faixa na qual se viam as bandeiras da China e de Hong Kong, juntas, bem como um aperto de mão.

Antes de começar a escalar o prédio, Alain Robert, de 57 anos, divulgou um comunicado no qual indicou que esta ação é “uma chamada urgente para o diálogo entre os “hong-kongers e o governo”.

Talvez o que eu esteja a fazer possa diminuir a temperatura e originar sorrisos, pelo menos é o que espero”, disse o especialista em escalada.

Esta foi, na verdade a terceira vez que Robert escalou o Cheung Kong Center, escreve o The Telegraph. O french spiderman, como já é conhecido, visita mesmo regularmente Hong Kong, uma das cidades do mundo com a maior concentração de arranha-céus.

Em agosto de 2018, o tribunal de Hong Kong proibiu Robert de escalar mais edifícios e em janeiro deste ano foi detido depois de escalar uma torre de 47 andares em Manila, nas Filipinas.

Hong Kong: protestos sem fim

Os protestos na região administrativa especial chinesa, que duram há mais de dois meses, têm sido marcados por violentos confrontos entre manifestantes e polícia.

A questão da brutalidade policial em Hong Kong começou após os protestos de 12 de junho, na sequência de uma intervenção das forças de segurança que usaram pela primeira vez gás lacrimogéneo e balas de borracha, uma prática que, entretanto, se vulgarizou.

Hong Kong vive um clima de contestação social desde a apresentação de uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria ao Governo e aos tribunais a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

A proposta foi, entretanto, suspensa, mas as manifestações pró-democracia generalizaram-se e denunciam agora uma “erosão das liberdades” no território semiautónomo chinês.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)