Desde que saiu do Benfica, a vida e a carreira de Renato Sanches tornaram-se um autêntico turbilhão. Depois de um primeiro ano para lá de discreto no Bayern Munique, o médio de 22 anos esteve emprestado ao Swansea, voltou à Alemanha no início da época passada e este ano parece não ser novamente opção para o treinador Niko Kovac. Num verão em que o Bayern contratou, ainda que a título de empréstimo, Perisic e Philippe Coutinho, dois jogadores criativos e que atuam no meio-campo, Renato Sanches vai vendo o respetivo espaço ficar cada vez mais reduzido. E foi precisamente por isso que não mediu as palavras depois da jornada inaugural da liga alemã, um empate contra o Hertha Berlim no passado fim de semana, em que só esteve cinco minutos em campo.

“Não é uma boa situação para mim. É a segunda vez que peço para ir para outro clube mas eles não me deixam sair. Cinco minutos não são suficientes para mim”, disse o internacional português, numa frase que mereceu críticas por parte de Rummenigge, o CEO do Bayern, que garantiu que o clube alemão não iria vender o médio e defendeu que este “fazia bem em acalmar-se”. Menos claro e decidido quanto à manutenção do jovem jogador foi Salihamidzic, antigo jogador e atual diretor desportivo do Bayern, que à margem da apresentação de Cuisance comentou a situação: “O Renato disputou três jogos desde o início da temporada. Com o Borussia Dortmund foi suplente utilizado, na Taça da Alemanha foi titular e no fim de semana, mesmo tendo sido apenas por cinco minutos, também entrou em jogo. Por isso não percebo por que razão fez essas declarações. Vamos ver, mas já disse que iremos manter as nossas possibilidades em aberto até 2 de setembro”, explicou o dirigente bósnio.

A chegada de Philippe Coutinho ao Bayern dificultou ainda mais a vida a Renato Sanches

As declarações de Salihamidzic deveram-se também a um interesse expresso dos franceses do Lille na contratação de Renato Sanches: de acordo com o L’Équipe desta sexta-feira, os dois clubes estão bastante avançados nas negociações pelo médio de 22 anos e o mais provável é que o internacional português seja confirmado no Lille nos próximos dias, a troco de 20 milhões de euros, tornando-se o jogador mais caro da história dos franceses (o Benfica encaixou 35 milhões no verão de 2016). Caso a transferência se confirme, Renato junta-se aos portugueses José Fonte, Tiago Djaló e Xeka no clube francês. Um dos sinais de que as conversações estão a seguir um bom rumo foi a mudança de discurso de Rummenigge, que depois de no fim de semana ter exclamado que o jogador não iria sair de Munique aconselhou-o agora a procurar um novo destino. “Vamos falar com o Renato Sanches e com o seu agente. Ele chegou há três anos, como o Golden Boy, com o título de campeão da Europa e depois perdeu o seu espaço na Seleção Nacional. Ele quer voltar a reconquistar o seu espaço e para isso tem de jogar. Aqui vai ser difícil, principalmente após a chegada de Coutinho”, atirou o antigo internacional alemão, em declarações à Sky.

O treinador Niko Kovac disse compreender a frustração do internacional português

Entretanto, e no meio dos rumores da transferência, o Bayern Munique anunciou que Renato Sanches foi multado em 10 mil euros, num castigo que foi rapidamente associado às declarações do jogador após o final do jogo com o Hertha Berlim mas que, de acordo com o treinador Niko Kovac, está relacionado com um treino a que português faltou. “Houve uma multa, é verdade. Mas não é por aquilo que o Renato disse depois do jogo. Foi somente porque ele não fez os exercícios que ocorreram depois do jogo. Aqueles que não jogaram treinaram com o preparador físico depois do apito final, de forma a fazer uma ativação corporal. Ele já estava no balneário, tomou banho e foi para casa. Foi por causa disso que foi multado. Foi apenas um treino que ele não fez. Mas isso não pode passar sem punição”, revelou o técnico, que disse ainda “entender a frustração” do médio português.

Três anos depois de ter trocado Lisboa por Munique e o Benfica pelo Bayern, Renato Sanches parece agora estar perto de ir procurar a felicidade e o sucesso noutras paragens. Caso a transferência para o Lille não se confirme, adivinha-se uma temporada novamente complicada para o internacional português, que para além de não ter espaço dentro de campo parece cada vez mais condenado pela estrutura do clube a permanecer sentado no banco de suplentes.