É um dos eventos que marca a rentrée cultural. A 76ª edição do Festival de Veneza arrancou na última quarta-feira e, como já é hábito, estrelas de vários quadrantes (e calibres) acorreram à passadeira vermelha mais cobiçada do cinema italiano. A noite foi reservada à antestreia de “La vérité”, filme do japonês Hirokazu Kore-eda, mas foi à entrada do Palazzo del Cinema que o espetáculo teve início. As francesas Catherine Deneuve e Juliette Binoche, protagonistas da longa-metragem, foram as figuras centrais da noite.

Catherine Deneuve e Juliette Binoche na cerimónia de abertura do Festival de Veneza © Daniele Venturelli/WireImage

Aos 75 anos, Deneuve mantém o seu toque irreverente e optou por uma criação de alta-costura de um dos seus designers favorito, Jean Paul Gaultier — um vestido preto e decotado, por baixo de um colete vermelho de lapelas exageradas e decorado com plumas na bainha. Vinte anos mais nova, Binoche foi o par ideal. De ar fresco e jovial, a atriz também exibiu uma peça de atelier, mas do italiano Giorgio Armani — um vestido de toque acetinado, coberto de uma fina rede de pérolas, que acabaram por lhe ditar a cor.

Mas a grande showstopper da noite foi Iman, a ex-manequim e atriz norte-americana de origem somali. Aos 64 anos, a viúva de David Bowie, presenteou a cidade italiana com uma das suas raras aparições públicas e fê-lo de forma a não passar despercebida. Como? Usando um vestido de alta-costura Valentino, uma peça volumosa, estampada com motivos florais e aves exóticas e adornada com longas plumas azuis. Uma coisa é certa: se há alguém que o pode usar e passar no teste da red carpet com distinção é ela.

Zara Mohamed Abdulmajid, conhecida como Iman, na sua chegada impactante à passadeira vermelha do festival © ALBERTO PIZZOLI/AFP/Getty Images

Já na noite anterior, a escolha de Iman tinha recaído sobre um vestido Valentino. Num roxo eletrizante, a peça destacou-se pela profusão de folhos e pela transparência, deixando mesmo vislumbrar os mamilos da ex-manequim. Iman voou mais cedo até Veneza para receber o Prémio Franca Sozzani, em reconhecimento da sua bem sucedida e multifacetada carreira. O galardão, batizado com o nome da antiga diretora da Vogue Itália, foi assim atribuído pela terceira vez. As atrizes Salma Hayek e Julianne Moore levaram-no para casa em 2018 e 2017, respetivamente.

Iman já se tinha vestido de Valentino na noite de terça-feira, para receber o Prémio Franca Sozzani © David M. Benett/Dave Benett/Getty Images for Eco-Age

Mas nem só de veteranas do cinema e da moda se compôs o desfile de quarta-feira à noite. Não faltou o habitual cortejo de jovens manequins internacionais. Em representação da Victoria’s Secret, estiveram os anjos Martha Hunt, Candice Swanepoel e Elsa Hosk. A liga das silhuetas altas e esguias continuou — a brasileira Isabeli Fontana vestiu Alberta Ferretti, a húngara Barbara Palvin foi de Armani, as norte-americanas Sofia Richie e Jasmine Sanders foram patrocinadas pela marca italiana TwinSet.

De volta às atrizes, há que distribuir as devidas menções honrosas. A francesa Stacy Martin, membro do júri deste ano, contornou o tradicional visual de gala e surpreendeu com um vestido acima do joelho, com fecho frontal, um cinto e ombros poderosos, cortesia da Louis Vuitton. Não há dúvidas de que o Armani da italiana Alessandra Mastronardi que assentou na perfeição. Já a chinesa Ni Ni optou por algo ligeiramente mais exuberante. A sua escolha recaiu sobre um vestido Gucci em tons de ouro, decorado com bordados e cristais.

A manequim brasileira Isabeli Fontana, uma presença assídua no Festival de Veneza © Elisabetta A. Villa/WireImage

Esta foi só a primeira de 11 noites dedicadas ao cinema em Veneza. O festival decorre até dia 7 de setembro e por lá ainda vão desfilar muitas outras estrelas. Brad Pitt, Laura Dern e Liv Tyler já chegaram. Espera-se a presença de Meryl Streep, Kristen Stewart e Robert de Niro, entre muitos outros. Por enquanto, fique com os visuais da cerimónia de abertura, na fotogaleria.