Rádio Observador

Passadeira Vermelha

“A Herdade”. Um elenco português na passadeira vermelha de Veneza

149

O elenco do filme português "A Herdade" está em Veneza. Albano Jerónimo, Sandra Faleiro e Victoria Guerra, entre outros, já passaram pela passadeira vermelha. Veja as imagens.

O elenco do filme “A Herdade”, do realizador Tiago Guedes, pisou a passadeira vermelha do Festival de Veneza na tarde desta quinta-feira. Da equipa que voou até Itália fazem parte os protagonistas Albano Jerónimo e Sandra Faleiro, bem como o realizador. Victoria Guerra também integrou a comitiva. A atriz de 30 anos regressou a esta competição de cinema depois de se ter estreado, em 2012, com o filme “As Linhas de Wellington”.

Horas antes, realizador e respetivo elenco marcaram presença numa apresentação do filme, da qual fez parte uma conferência de imprensa. As atrizes portuguesas exibiram visuais descontraídos, guardando os longos vestidos para o momento de percorrer a passadeira vermelha, já ao entardecer.

Victoria Guerra, Ana Vilela da Costa, João Vicente, Rodrigo Tomás, João Pedro Mamede, Tiago Guedes, Albano Jerónimo, Sandra Faleiro, Beatriz Brás e Miguel Borges, do elenco do filme “A Herdade”, na passadeira vermelha do festival © Theo Wargo/Getty Images

“A Herdade” está a concurso e o possível leão de ouro fez com que a equipa voasse em peso para Itália, incluindo o produtor Paulo Branco e a ministra da cultura Graça Fonseca. Na última quarta-feira, o incidente no Aeroporto de Lisboa apenas atrasou a viagem em algumas horas. Um dos motores do avião da TAP onde viajavam explodiu quando a aparelho se preparava para descolar.

Quanto ao prémio, o veredito do júri chegará apenas no próximo sábado. Para já, nomes como Albano Jerónimo, Sandra Faleiro (os protagonistas), João Pedro Mamede, Ana Vilela da Costa, Victoria Guerra, Beatriz Brás, Miguel Borges, Rodrigo Tomás, João Vicente e Tiago Guedes, o próprio realizador, assinalam a sua passagem pelo Palazzo del Cinema.

“É uma vitória o filme estar na competição, é a primeira longa-metragem portuguesa a chegar aqui em 14 anos. Já tive oportunidade de ver o filme e é um trabalho incrível e exemplar, com um elenco português de luxo”, afirmou a atriz Victoria Guerra em declarações ao Observador. Em “A Herdade”, filme rodado no ano passado, a atriz tem uma pequena participação.

“É um grande western lusitano, uma história muito portuguesa e de um Portugal que raramente é retratado”, acrescenta a atriz, que já tinha trabalhado com o realizador Tiago Guedes em 2013, na série da RTP “Odisseia”. Ainda este mês, o filme “A Herdade” será apresentado no Festival de Cinema de Toronto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)