Rádio Observador

Lisboa

Lisboa. Bar e clube de concertos Sabotage tem fim à vista

O clube de rock and roll, que abriu portas em 2013, terá de sair do número 16 da Rua de São Paulo, no Cais do Sodré, por ordem dos donos do espaço, avança o Público. As rendas estão "caríssimas".

O Sabotage Club fica no Cais do Sodré, zona nevrálgica da noite e 'movida' lisboeta

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Começou por ser uma editora independente de discos, tornou-se um bar e clube de concertos em 2013, inspirado nos também lisboetas (de outros tempos) Rock Rendez-Vous e Johnny Guitar. Também tinha um espaço para o nova-iorquino CBGB no coração. Era, em suma, um bar de rock and roll — e agora o mais certo é fechar as portas.

Segundo avança o jornal Público, a empresa proprietária do prédio do número 16 da Rua de São Paulo, no Cais do Sodré, em Lisboa — a Up Down Lisbon Lda, do grupo Mainside Investments — comunicou aos proprietários do Sabotage Club que terão de abandonar o espaço que ocupam.

Segundo os gestores do Sabotage Club, a empresa proprietária do prédio pretende transformá-lo “em alojamento turístico”. O grupo Mainside Investments era também o proprietário do bar Oslo, localizado na mesma artéria histórica da atividade noturna da cidade, que já fechou portas.

A possibilidade de os responsáveis pela programação musical e gestão diária do Sabotage Club levarem o bar e clube de concertos para outro ponto da cidade — como aconteceu com as discotecas Europa, Tokyo e Jamaica que, segundo o Público, irão deslocar-se uns metros para perto do rio e dos bares e clubes de espetáculos B.Leza e Titanic Sur Mer — é improvável, dado que as rendas estão “caríssimas”, dizem ao mesmo jornal.

O Observador sabe, no entanto, que os responsáveis do clube e sala de concertos ainda não desistiram de tentar encontrar uma nova localização para o Sabotage Club.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Segurança Social

A dívida implícita de Portugal

José Marques

Nos últimos 40 anos, período no qual se deu a maioria da acumulação desta dívida implícita, houve uma acumulação média, silenciosa, de dívida equivalente a mais de 10% do PIB por ano.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)