Rádio Observador

BCE

Draghi volta a cortar as taxas de juro e relança “bazuca” sem votação no BCE

BCE corta taxa dos depósitos em 10 pontos, para um valor ainda mais negativo: -0,5%. E lançou novo plano de compras de dívida nos mercados. Não houve votação, mas nem todos concordaram.

FREDERICK FLORIN/AFP/Getty Images

O Banco Central Europeu anunciou esta quinta-feira mais um corte da taxa de juro dos depósitos, em 10 pontos-base, para um valor ainda mais negativo (0,5%) e vai, também, ser reiniciado o plano de compras de dívida nos mercados, a um ritmo de 20 mil milhões por mês — uma iniciativa que não foi submetida a votação no conselho do BCE, que inclui membros que nos últimos dias manifestaram publicamente discordância em relação a esta proposta.

Poucas horas depois, a Bloomberg contava os bastidores de uma “revolta sem precedente” e uma reunião “fracturante”, revelando que o governador do Banco Central francês, Francois Villeroy juntou aos banqueiros da linha mais dura, o alemão e o holandês, na oposição às medidas anunciadas por Draghi. Em particular defenderam que era demasiado cedo para a retoma do programa de compra de ativos em mercado.

Os três governadores são de três países que representam cerca de metade da população que vive na zona euro. E segundo a agência financeira, não foram os únicos a levantar reservas. Também dois membros executivos do BCE o fizeram. A Bloomberg diz que este nível de divergências nunca foi visto durante a presidência de Draghi que em outubro vai ceder o seu lugar a Christine Lagarde.

As taxas de juro vão continuar nestes níveis, “ou mais baixos”, até que as expectativas de inflação “convirjam de forma robusta” com o objetivo do banco central, que é de “abaixo, mas perto de 2%”, indicou o BCE, no comunicado colocado no site oficial às 12h45 desta quinta-feira.

Os anúncios correspondem à expectativa dos analistas, embora alguns até admitissem que o Banco Central Europeu (BCE) pudesse ser mais audaz: baixando os juros dos depósitos para -0,6% e avançando com o plano de intervenção a um ritmo de 30 mil milhões. Mas a decisão foi no sentido de 20 mil milhões, embora sem data para terminar: o BCE diz apenas que as compras de dívida vão continuar “enquanto forem necessárias” para “reforçar o impacto acomodatício” das taxas de juro — além disso, indica-se que este novo programa de compras de dívida deverá terminar “pouco tempo antes de o BCE começar a subir as taxas de juro”.

Por outro lado, ao cortar a taxa de juro dos depósitos, como se previa, o BCE anunciou que vai introduzir um sistema segmentado, para tentar mitigar o impacto sobre os bancos desta decisão — o BCE diz que é para “apoiar a transmissão da política monetária”. Na prática, esta nova taxa de juro não será aplicada sobre todas as reservas que os bancos “estacionam” no BCE, mas só a partir de determinada fasquia.

O corte da taxa de juro não se refere à taxa de juro diretora — aquela que, em termos simples, define a taxa que os bancos têm de pagar pela liquidez que vão buscar ao BCE. Essa taxa está há mais de três anos em 0% e lá deverá continuar no futuro próximo. A alteração surge na taxa de juro que, num sinal dos tempos, se tornou a principal ferramenta de política monetária: a taxa dos depósitos — ou seja, aquela que define quanto é que os bancos recebem quando “estacionam” excessos (regulamentares) de liquidez no banco central.

Como essa taxa está fixada num nível negativo, os bancos não recebem, pagam. Essa taxa passa para -0,5%, o que tenderá a fazer baixar ainda mais várias taxas de mercado, desde as Euribor (que indexam as prestações de crédito à habitação de muitos portugueses) até, por exemplo, a taxa de juro da dívida pública de vários países (até de Portugal).

Logo a seguir ao anúncio da decisão, as taxas de juro de Itália afundaram mais de 20 pontos-base:

Na conferência de imprensa do BCE, em Frankfurt, Draghi anunciou uma revisão em baixa das previsões de crescimento na zona euro, tanto para 2019 como para 2020 — 1,1% e 1,2%, respetivamente, são as novas projeções (eram 1,2% e 1,4%). O presidente do BCE reconheceu que os riscos destas previsões tendem a pender para o lado negativo, ou seja, há maior risco de que as projeções falhem por serem demasiado generosas do que o contrário.

Continuamos a achar que a probabilidade de uma recessão na zona euro é pequena, mas subiu”, atirou Draghi.

“Super Mario”, que abandona o cargo no final do próximo mês de outubro, aproveitou para dizer que a recuperação que a zona euro registou se deveu, sobretudo, à ação do BCE — nesta fase, porém, é necessário que a política orçamental entre em cena, num desafio direto a que os países que têm margem para isso decidam avançar com planos de estímulo público. Na opinião de Draghi, isso pode fazer toda a diferença — e noutros países com política monetária comparável tornou-se claro como um papel mais “ativo” da política orçamental foi muito importante para estimular a economia e a inflação.

Houve “unanimidade” no Conselho do BCE em relação à importância de a política orçamental se transforme no “principal instrumento” de estímulo económico, e não a política monetária, diz Draghi. O italiano adiantou, também, que não houve uma votação sobre se se deveria avançar para as compras de dívida, porque havia uma “maioria tão significativa” que nem foi preciso, afiançou o presidente do BCE.

Do outro lado do Atlântico, o Presidente norte-americano comentou o anúncio do BCE aproveitando para criticar a Reserva Federal dos EUA por não fazer o mesmo. Na análise de Trump, na zona euro “eles estão a tentar, com sucesso, depreciar o euro face ao dólar MUITO forte” — ao passo que a Fed está “sentada, sentada, sentada”.

“Nós temos um mandato. Nós temos um objetivo de estabilidade monetária. E não temos como objetivo atingir fasquias no mercado cambial. Ponto”, respondeu Draghi, questionado por uma jornalista sobre o tweet de Donald Trump.

Atualizado às 20.00 com notícias sobre divergências entre os governadores centrais. 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
BCE

BCE. Politização do lucro e socialização da perda

Miguel Coelho

Depois de mais um pacote de Draghi, importaria parar para pensar e para colocar algumas questões (Einstein (?) dizia que “loucura é querer resultados diferentes fazendo tudo exatamente igual”).

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)