A atriz que ficou conhecida pelo seu papel na série de televisão “Donas de Casa Desesperadas”, Felicity Huffman, foi condenada esta sexta-feira a 14 dias de prisão, pelo envolvimento num esquema de corrupção universitária. A atriz terá de se apresentar numa prisão — ainda não se sabe qual — no dia 25 de outubro.

Antes de anunciar a sentença, a juíza Indira Talwani considerou que “tentar ser uma boa mãe não desculpa” o crime que cometeu. Relevando que Felicity Huffman sabia que o que estava a fazer “era uma fraude e não um impulso”, Talwani considerou que esta foi “a sentença certa”. Depois, falou diretamente para a atriz:

Acho que pode cumprir a sua pena e seguir em frente. Pode reconstruir a sua vida depois disto”.

A atriz foi ainda multada em 30 mil dólares e terá de cumprir 250 horas de serviço comunitário. Após cumprido o tempo de prisão, Felicity Huffman ficará durante um ano em liberdade condicional.

Já o procurador Eric Rosen tinha pedido um mês de prisão para a atriz por considerar que há “uma mensagem que deve ser enviada” e que a prisão “é a única maneira” de a enviar. Rosen admitiu acreditar que a atriz planeava em repetir o crime.

Com todo o respeito, seja bem-vindo à paternidade. A maioria dos pais tem a integridade moral para não ultrapassar os limites. Vcê não”, disse Rosen.

Antes ainda de ficar a saber a sua sentença, a atriz pediu desculpa diretamente à juíza e confessou estar “envergonhada” pelo que fez. “No final do dia, tive uma escolha a fazer. Podia ter dito não“, admitiu. Felicity Huffman. O seu advogado, porém, apontou que a sua cliente é uma pessoa boa e decente e foi “capaz de dizer que não na segunda vez”.

Saiu do tribunal acompanhada pelo marido, o ator William H. Macy, e não prestou declarações aos jornalistas. Já depois da audiência, a atriz enviou um comunicado às redações onde pedia desculpa à filha e ao marido, mas em especial “aos estudantes que lutam todos os dias para entrar na universidade” e “aos seus pais que fazem sacrifícios tremendos para os sustentar”. “Violei as leis. Admiti isso e declarei-me culpada por este crime. Não há desculpas ou justificações para aquilo que fiz. Ponto final”, lê-se ainda.

Posso prometer que nos meses e anos que se seguem, vou tentar viver uma vida mais honesta, tornar-me um melhor exemplo para as minhas filhas e para a minha família e continuar a contribuir com o meu tempo e energia onde for necessária”, escreveu ainda.

Felicity Huffman era um dos 50 suspeitos de fazer parte de um esquema de corrupção universitária, o qual permitia que os filhos de norte-americanos abastados entrassem em universidades de elite, incluindo Yale, Georgetown e Stanford, a troco de subornos milionários.