Os milhares de bombeiros voluntários que integraram as equipas do dispositivo de combate a incêndios florestais estão a receber desde segunda-feira as comparticipações financeiras de setembro, avançou esta terça-feira à Lusa a Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP).

O presidente da LBP, Jaime Marta Soares, afirmou que as comparticipações financeiras de setembro foram pagas aos bombeiros voluntários entre segunda-feira e esta terça-feira, quase um mês depois.

Os bombeiros voluntários que integram o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais recebem da Proteção Civil a compartição financeira de 50 euros por 24 horas.

Jaime Marta Soares adiantou que a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) ainda não pagou as dívidas todas às associações humanitárias de bombeiros, continuando por saldar as despesas extraordinárias desde julho deste ano e algumas de 2018.

Segundo o presidente da LBP, o que está por pagar são as despesas extraordinárias feitas durante o combate aos fogos, como alimentação, combustível e reparação de viaturas.

Numa resposta enviada ao PSD, o Ministério da Administração Interna (MAI) refere que a ANEPC “não tem valores em dívida relativos ao período crítico de incêndios” do ano passado para com os corpos de bombeiros, estando por pagar quase 34 mil euros referente a despesas extraordinárias de 2018. O MAI prevê pagar este valor “a breve trecho”.

Na resposta enviada ao grupo parlamentar social-democrata, o MAI indica ainda que a ANEPC tem também por regularizar às associações humanitárias o montante de cerca de 433 mil euros, cujo reembolso “está dependente da realização efetiva da despesa e respetivo comprovativo”, nomeadamente mediante envio de fatura.