Os bancos cobraram um total de 40,3 mil milhões de euros em comissões entre 2007 e o primeiro semestre de 2019, uma média de 8,8 milhões de euros por dia, segundo o Jornal de Notícias, que cita dados do Banco de Portugal.

Confrontada pelo JN com estes valores, a Associação Portuguesa de Bancos afirma que se justificam pelo baixo custo do dinheiro (as taxas de juro são mesmo negativas neste momento), o que pressiona a chamada margem financeira — a diferença entre o que o banco paga em juros e o que ganha em juros com os clientes.

Tendo em conta que a margem financeira — que ainda representa três vezes mais dinheiro do que as comissões — caiu 23% entre 2007 e 2018 que o total das receitas dos bancos caiu de 13,8 mil milhões para 9,3 mil milhões de euros no mesmo período, “é inevitável que os bancos tenham de recorrer a fontes complementares de receita, como as comissões”, afirma a APB. O valor médio das comissões, por outro lado, caiu 8%.

O balanço do JN surge depois de o Governo ter proposto uma avaliação das comissões que os bancos cobram aos clientes.