“O estado de saúde do bebé é bom, felizmente.” Foi assim que o médico Daniel Virella, da Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais do Hospital Dona Estefânia para onde foi transportado inicialmente o bebé encontrado no lixo em Santa Apolónia, começou por apresentar o boletim clínico sobre a criança.

É um bebé “saudável”, tão saudável que a equipa de neonatologia do Hospital Dona Estefânia já transferiu a criança para a unidade de cuidados gerais da Maternidade Alfredo da Costa, visto “não carecer dos cuidados complexos médicos e cirúrgicos” da unidade onde estava.

“A equipa da VMER aqueceu e estabilizou a criança. O trabalho mais complexo que tivemos de fazer com a criança foi dar-lhe um banho”, resumiu o médico, para ilustrar o quão positivo é o estado de saúde do bebé. “Não sabendo o que se passou, ninguém diria que lhe aconteceu alguma coisa”, disse mesmo o clínico.

Questionado pelos jornalistas, Daniel Virella afirmou que não terão passado mais de seis horas desde que foi deixado num ecoponto, na zona da Santa Apolónia, até ter recebido os primeiros cuidados por parte da equipa do INEM. Por prevenção, está agora a receber “proteção antibiótica”, mas deverá continuar a recebê-la apenas durante mais “um ou dois dias”, período após do qual já poderá ter alta clínica.

O médico garantiu ainda que o hospital poderá ficar com a criança até o Estado “encontrar um lugar onde o acomodar”, mas sublinhou que, nestes casos, não cabe ao hospital ficar com “a tutela do bebé”. “Haverá toda a questão social que nos ultrapassa neste momento e que não está nas nossas mãos”, declarou o clínico. Sinalizado o caso pelos serviços sociais, cabe agora ao sistema judicial tomar uma decisão.