A Cruz Vermelha Portuguesa quer vender o respetivo hospital, na capital, e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa está interessada na aquisição, escreve esta quarta-feira o Diário de Notícias. A Cruz Vermelha acredita que a venda pode acontecer até ao final do ano, embora fonte da Santa Casa afirme que é provável que não haja uma decisão tão célere. Existe acordo de intenção entre as duas partes, pelo que estão a ser realizadas auditorias, bem como estudos de impacto económico.

De acordo com este jornal, a Santa Casa não quis adquirir apenas os 55% que pertencem à Cruz Vermelha via CVP – Sociedade de Gestão Hospitalar. A avaliação está a ser feita no sentido da aquisição total do hospital — o Estado gere os restantes 45% através da Parpública.

O Hospital da Cruz Vermelha tem um acordo de gestão com o Estado por 25 anos desde 1998, o qual está previsto terminar em 2023. O negócio em cima da mesa seria uma forma de dar resposta à situação financeira da unidade hospitalar — em 2018 registaram-se prejuízos de 203 mil euros, tendo em conta os lucros na ordem dos 800 mil euros no ano anterior.

Com isto, a Santa Casa de Lisboa pretende reforçar a resposta do setor social nos cuidados hospitalares, sendo que na calha pode estar um programa de cooperação com o Serviço Nacional de Saúde, de maneira a que os utentes do público possam optar por fazer no Hospital da Cruz Vermelha exames de diagnóstico e intervenções.

A Santa Casa de Lisboa tem atualmente sete unidades de saúde.