A deputada Joacine Katar Moreira pediu “respeito” aos jornalistas no Parlamento, esta quarta-feira, na sequência da decisão do dia anterior, em que o seu assessor pediu a um GNR da Assembleia para escoltar a deputada até ao seu gabinete, quando alguns jornalistas lhe tentavam fazer perguntas. “Acho que é necessário começarmos a respeitar-nos uns aos outros”, disse Joacine aos vários jornalistas que a abordaram esta quarta-feira, incluindo da Rádio Observador. “Se vos foi antecipado ontem que eu não iria dar entrevista absolutamente nenhuma, o que se espera é que haja respeito.”

O assessor da deputada Joacine Katar Moreira, Rafael Esteves Martins, já se tinha queixado à Rádio Observador de “interrupções constantes” por parte de jornalistas, nos últimos dias, justificando assim a decisão de pedir a escolta de um GNR. Um momento que ficou registado pelas câmaras da SIC e da RTP e que mostraram a deputada e o seu assessor escoltados por um GNR, sem farda, que chega mesmo a tentar afastar os jornalistas da deputada, tanto com gestos como com palavras. O assessor sublinha que a “cultura de trabalho” de Joacine Katar Moreira é uma “cultura de descanso, no sentido intelectual do termo” e que se a pressão mediática continuar, poderá voltar a pedir-se que seguranças afastem os jornalistas da deputada: “Não haverá outra forma”.

Ouça aqui as explicações do assessor de Joacine Katar Moreira, à Rádio Observador.

Assessor de Joacine queixa-se de “interrupções constantes” no Parlamento. Ouça aqui a entrevista

Ao longo desta terça-feira, Joacine Katar Moreira, que durante o fim de semana respondeu a inúmeras solicitações da imprensa para comentar o momento de crise no Livre, manteve-se incontactável. Primeiro, foi noticiado o incumprimento de prazo da deputada, que não entregou a tempo o projeto de alteração à Lei da Nacionalidade, uma das grandes bandeiras do partido durante a campanha — e Joacine não quis fazer qualquer comentário. A seguir, foi tornada pública a tentativa de Joacine, junto da mesa da Assembleia da República, de submeter mesmo assim o seu projeto a discussão e a nega que os outros partidos lhe deram — e a deputada única do Livre tornou a não comentar.

Ao final do dia, quando confrontada diretamente pelas equipas de reportagem da SIC e da RTP, nos corredores do Parlamento, Joacine Katar Moreira também não respondeu a perguntas. Seguia, como é visível nas imagens:, acompanhada por um GNR não fardado e pelo seu assessor, Rafael Esteves Martins. De garrafa térmica na mão, Joacine sorriu para as câmaras e manteve-se em silêncio.

Tanto os jornalistas da SIC como da RTP garantem que o gabinete de Joacine Katar Moreira pediu ao GNR do Parlamento para afastar os jornalistas da deputada e para a escoltar até ao gabinete.

Contactado pelo Observador, Pedro Nuno Rodrigues, do Grupo de Contacto do LIVRE, informou que a direção do partido não vai prestar quaisquer esclarecimentos sobre o tema. Também Rui Tavares, fundador do LIVRE, recusa comentar o caso, respeitando o blackout mediático decretado pela Assembleia do partido.

Houve um (outro) jornalista que “nos entrou pelo gabinete adentro”

Ouvido pela Rádio Observador esta quarta-feira, pelas 10h, Rafael Esteves Martins explicou que “a sra. deputada estava a participar num documentário da Al Jazeera” filmado no Salão Nobre. Tendo em conta que, durante a tarde, houve um outro jornalista que “nos entrou pelo gabinete adentro”, o assessor Rafael Esteves Martins diz: “Achei por bem solicitar ao guarda que estava em funções para acompanhar a sra. deputada até ao seu gabinete“.

Enquanto Joacine participava no documentário da Al Jazeera, equipas de jornalistas da RTP e da SIC esperavam a deputada junto ao salão nobre. Terá sido nessa altura que o assessor do Livre, Rafael Esteves Martins, pediu a um militar da GNR que estava na zona para escoltar a deputada enquanto passasse pelos jornalistas no corredor. À Rádio Observador, Rafael Esteves Martins explicou que quis evitar algo que, na descrição que faz, os jornalistas fazem frequentemente que é “cercar” os deputados, na busca de declarações.

Não conseguimos trabalhar se nos continuarem a pedir informações que não são necessariamente de interesse público”, diz Rafael Esteves Martins.

Os jornalistas, contactados pelo Observador, negam ter tentado entrar em qualquer gabinete ou sequer batido à porta, como Rafael Esteves Martins disse no Twitter. O assessor do Livre explicou à rádio Observador que, afinal, se estava referir a um outro jornalista — e não a nenhum dos que estavam presentes no momento em que foi pedida a segurança — e a um outro momento do dia.

Os jornalistas limitaram-se a ficar à espera pelo momento em que a deputada saiu da entrevista. E terão sido informados pela segurança que tinha sido solicitado o acompanhamento da deputada pelos corredores. Apesar das recusas do assessor e do pedido de segurança, os jornalistas continuaram à espera. Quando a deputada saiu da entrevista, como muitas vezes acontece nos corredores, o jornalista da SIC tentou fazer perguntas à deputada durante alguns metros, como se vê nas imagens, mas sem sucesso.

Rafael Esteves Martins diz que a sua principal preocupação era que os documentaristas e realizadores da Al Jazeera “pudessem fazer o seu trabalho em paz”, não explicando porque é que foi no corredor — e não na sala — que se pediu o acompanhamento do GNR. Questionado sobre isso pela Rádio Observador, Rafael Esteves Martins acabou por “explicar que quando estamos a trabalhar num projeto de lei que foi submetido — que está nas iniciativas do parlamento — não conseguimos fazê-lo se estivermos constantemente na presença de jornalistas, de chamadas, de e-mails, etc“.

“Não conseguimos trabalhar se nos continuarem a pedir informações que, a nosso ver, não são necessariamente de interesse público”, diz o assessor de Joacine.

No Twitter, o assessor de Joacine Katar Moreira tinha que se “largue o osso” nesta polémica, parecendo justificar o pedido de segurança pelo facto de “ontem um jornalista entrou-nos pelo gabinete. Foi isso. There, I said it [pronto, está dito]”.

Rafael Esteves Martins criticou, também, o trabalho jornalístico feito sobre este tema, sublinhando que o problema não está nos jornalistas mas em “quem lhes paga (bem como sobre os que pagam a quem àqueles paga). “O trabalho jornalístico é precário, mal pago, sujeito a desordens mentais”, diz o assessor da Joacine, num post sobre a “mercantilização da informação”.

Questionado pelo Observador, o Sindicato dos Jornalistas adiantou que não vai tomar posição sobre o assunto. “Decidimos que o Sindicato não vai comentar”, disse a vice-presidente do Sindicato Leonor Ferreira. Em agosto do ano passado, por exemplo, o sindicato emitiu um comunicado a acusar o PSD de “pressionar” uma jornalista do Público através do Twitter. “O PSD usou o sarcasmo e a ironia para provocar a jornalista em causa, desvalorizando e levantando suspeitas relativamente ao trabalho por ela desenvolvido”, indicava o Sindicato no comunicado.

Sindicato dos Jornalistas acusa PSD de “pressionar” jornalista do Público

Pouco depois desta posição, o Sindicato dos Jornalistas mudou de posição e não só comentou o caso como condenou a ação da deputada Joacine Katar Moreira.

“O Sindicato dos Jornalistas ( SJ) não compreende a atitude hoje tomada pela deputada do Livre, Joacine Katar Moreira, de pedir proteção à GNR, dentro da Assembleia da República, de forma a impedir os jornalistas de a questionarem”, indicou a estrutura em comunicado. Para o sindicato, “a decisão da deputada atenta contra a liberdade de imprensa e revela uma prática anti-democrática tomada dentro da própria Casa da Democracia”.

“Os jornalistas têm direito a exercer a sua profissão, a qual implica o acesso a fontes e protagonistas das notícias, através da colocação de perguntas”, escreve o Sindicato, para quem a atitude da deputada do Livre “é grave” e “não se coaduna com o cargo para o qual foi mandatada”.

Depois de na segunda-feira ter falado ao Notícias ao Minuto sobre o atual momento de tensão no Livre, motivado pela abstenção da deputada no voto de condenação pela “nova agressão israelita a Gaza” — “Isto trata-se de um autêntico golpe e a minha resposta é esta: não sou descartável e exijo respeito” —, Joacine voltou a quebrar o silêncio esta quarta-feira nas páginas do Público (não sendo claro quando é que essas declarações foram prestadas ao jornal) — título: “Identifico-me com o Livre e o Livre identifica-se comigo”. Mas não comentou o incumprimento do prazo de entrega do projeto sobre a Lei da Nacionalidade.

Com João Cruz e Nuno Viegas