Dark Mode 94,6 kWh poupados com o MEO
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Hoje é um bom dia para mudar os seus hábitos. Saiba mais

Joacine: "Fui eleita sozinha, a direção do Livre nunca me apoiou"

Em declarações ao Observador, Joacine Katar-Moreira diz que a desafinação com o Livre não é nova. A deputada diz que “foi eleita sozinha” e acusa o partido de nunca a ter apoiado.

i

Joacine critica Rui Tavares e diz que o apoio que teve ao longo da campanha só chegou “de quem não era do partido”

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Joacine critica Rui Tavares e diz que o apoio que teve ao longo da campanha só chegou “de quem não era do partido”

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A noite era de festa, pelo sexto aniversário do Livre, mas de “cortar à faca” era o ambiente na sala. Em véspera de assembleia do partido e em plena ‘guerra aberta de comunicados’ entre a direção do partido (chamado de Grupo de Contacto) e a deputada única, cerca de 80 apoiantes sentaram-se à mesa para, supostamente, celebrar. Primeiro com a presença de Rui Tavares (que se ausentou durante algum tempo por compromissos com a RTP), depois com a presença da própria Joacine Katar-Moreira e, durante algum tempo, com os dois na sala.

O verniz parece ter estalado por completo este sábado. De comunicado em comunicado, a direção do partido e a deputada única eleita em outubro vão dando sinais de tensão e afastamento. E, ainda que possa parecer que tudo começou depois de Joacine ter tomado posse como deputada na Assembleia da República, é a própria quem garante ao Observador que há outra versão e que “mesmo antes da campanha eleitoral” a “falta de apoio” já era notória.

Fui eu que ganhei as eleições, sozinha, e a direção quer ensinar-me a ser política”, afirma a deputada ao Observador, esclarecendo que o apoio que teve ao longo da campanha só chegou “de quem não era do partido”.

Até na noite das eleições legislativas Joacine garante ter-se sentido incomodada com a direção. Apontando diretamente a Rui Tavares e a “alguns membros da direção” que, antes de ser conhecida a eleição de uma deputada, festejavam a atribuição da subvenção partidária. Katar-Moreira lamenta que a prioridade tenha sido festejar a subvenção e não aguardar para saber se conseguiam eleger algum deputado.

A comunicação entre a direção do partido e o parlamento tem-se resumido à troca de e-mails, por canais oficiais, “para que tudo fique registado”, explica na sua versão da história. Foi o que aconteceu na manhã deste sábado quando, às 9 horas, na caixa de e-mail do partido na Assembleia da República (à qual dificilmente prestariam atenção, por ser sábado e cedo na manhã, explica) caiu o comunicado da direção sobre a abstenção de Joacine no voto de condenação pela “nova agressão israelita a Gaza”.

“Tínhamos assembleia do Livre amanhã [domingo], conversávamos e íamos resolver isto”, afirma a deputada, acrescentando que estava a ser preparado um comunicado para divulgar algo que diz ser prática sempre que é votado um tema semelhante.

Joacine Katar-Moreira ainda diz que “não tem necessariamente nada de errado de parte a parte”, mas não é o que transparece quando explica que não sente apoio: “De maneira nenhuma”.

Ainda assim, a deputada nota que até agora todas as intervenções e propostas apresentadas no hemiciclo respeitam o programa do partido. Exemplificou com a intervenção sobre o salário mínimo nacional ou o aeroporto do Montijo. “Tudo sobre justiça social e ambiental, nada se afasta minimamente do programa do Livre”, afirmou Joacine.

A deputada do Livre reconhece que tem “interesse” em manter uma boa relação com a direção do partido, “quer ao nível da relação institucional, quer ao nível da responsabilização”, mas tal não só não acontece neste momento, como “nunca aconteceu”.

Talvez seja da idade, admite, afinal o partido está agora a assinalar os seis anos de existência. “Ainda estamos em aprendizagem” — o Livre “ainda está a aprender” na política.

Ouça aqui o comentário do editor de Política Pedro Benevides sobre esta crise no Livre:

Crise no Livre: “Este caso tem contornos estranhos”

A comunicação muda entre a direção e o Parlamento. A votação de sexta-feira e o comunicado a fazer transbordar o copo

De facto, a noite deste sábado foi pensada para ser de festa. O evento estava marcado há muito e as inscrições tinham fechado há dois dias, ainda antes de rebentar a polémica. Na sala do lado de um restaurante cabo-verdiano no centro de Lisboa estavam cerca de 80 apoiantes do partido — incluindo o fundador Rui Tavares e os membros da direção —, mas o entra e sai constante deixavam transparecer que o caso Joacine tinha mesmo ensombrado o ambiente. Animado só o momento em que se cantaram os parabéns ao Livre.

Joacine Katar-Moreira foi uma das que se inscreveram e chegou, sorridente, duas horas depois da hora marcada para o início do jantar, quando já se comentava que não viria. Foi recebida com alguns abraços dos membros do partido, enquanto parte da direção aproveitava para sair por alguns minutos da sala de jantar, para fumar um cigarro ou conversar na rua.

Joacine Katar-Moreira queixa-se de falta de apoio da direção mesmo durante a campanha

FILIPE AMORIM/OBSERVADOR

Rui Tavares foi um dos que saiu do restaurante bastante tempo antes de Joacine chegar, mas como explicou ao Observador, foi para ir à RTP, onde é comentador habitual — e a saída antecipada não tinha mais nenhuma leitura. E foi precisamente na RTP3  que contestou a versão da deputada sobre a dificuldade em contactar a direção do partido:

Em relação a falhas de comunicação prévias ao voto, devo dizer que, conhecendo bem a forma de funcionamento do partido e sabendo que é uma direção colegial de 15 pessoas, em que é sempre possível apanhar alguém ao telefone, este argumento para mim não colhe“, disse o fundador do Livre.

Sobre as declarações de Rui Tavares à RTP, Joacine pouco se alarga, justificando o momento como sendo de festa. Mas, para o facto de os membros da direção não terem conseguido contactar com a deputada ou os assessores na Assembleia da República na tarde e noite de sexta-feira, oferece ao Observador uma justificação. A comitiva parlamentar irá na segunda-feira a Cabanas de Viriato, no âmbito de uma proposta sobre Aristides de Sousa Mendes, e estavam em contactos com as entidades locais para organizar a visita.

Joacine confirmou ao Observador que estará presente este domingo na assembleia do partido, mas sublinhou que a direção “devia ter esperado” pelo momento para “resolver o problema” sobre a abstenção nas votações de sexta-feira.

Pode ouvir aqui as declarações de Rui Tavares, “perplexo”, e de Joacine Katar Moreira, que diz ser “impossível” desvincular-se do partido:

Joacine já saiu da reunião do Livre

Contactada pelo Observador, a direção do Livre remeteu para mais tarde as reações às declarações da deputada Joacine Katar-Moreira sobre a falta de apoio desde a campanha eleitoral.

Em janeiro, o partido vai a eleições. Apesar de ainda não estar fechada uma data (será discutida na assembleia do partido de domingo), o congresso eletivo deverá ser no final do mês e os candidatos terão que apresentar as respetivas listas antes, em data a fixar pelo regimento do congresso.

Joacine irá integrar uma das listas e, ao que tudo indica, desvincular-se da atual direção, da qual é um dos 15 membros. O partido irá ser chamado às urnas e optar por um dos lados — entre a deputada que, garante, foi eleita sozinha sem qualquer apoio, ou uma aproximação à direção atual (que sofrerá alterações devido à limitação de mandatos e à limitada disponibilidade de alguns membros, ao que o Observador apurou).

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.