435kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Isabel dos Santos: "Lamento que Angola tenha escolhido este caminho" em que "todos temos muito a perder"

Este artigo tem mais de 2 anos

Na primeira entrevista após o Luanda Leaks, Isabel dos Santos fala de "caça às bruxas seletiva" a "2 ou 3 pessoas" da sua família e diz que todos têm a perder com este caminho escolhido por Angola.

Esta foi a primeira entrevista de Isabel dos Santos após a publicação da investigação do caso Luanda Leaks
i

Esta foi a primeira entrevista de Isabel dos Santos após a publicação da investigação do caso Luanda Leaks

Valery Sharifulin/TASS

Esta foi a primeira entrevista de Isabel dos Santos após a publicação da investigação do caso Luanda Leaks

Valery Sharifulin/TASS

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Isabel dos Santos disse à BBC que lamenta “que Angola tenha escolhido este caminho”. São as primeiras palavras da filha do ex-presidente de Angola a um órgão de comunicação social depois de o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação ter publicado uma reportagem sobre alegados desvios de dinheiro feitos pela angolana enquanto presidente da Sonangol.

Em entrevista à BBC, Isabel dos Santos fala de uma “caça às bruxas”: “As autoridades angolanas embarcaram numa caça às bruxas muito, muito seletiva que tem por objetivo dizer que há duas ou três pessoas relacionadas com a família do presidente dos Santos… Olhem, eu lamento que Angola tenha escolhido este caminho. Acho que temos todos muito a perder”.

Luanda Leaks. PwC corta relações com Isabel dos Santos e Davos desconvida empresária angolana

Em conversa com o jornalista Andrew Harding sobre os 715 mil documentos que suportam a tese de que Isabel dos Santos construiu um império com estratégias de corrupção, a filha de José Eduardo dos Santos reage: “Quando se olha para o meu passado, vê-se o trabalho que fiz, vê-se as empresas que ergui… São companhias comerciais. Se me perguntarem: ‘Há alguma coisa errada em um angolano ter um negócio com uma empresa do Estado?’, eu digo que não vejo nada de errado“.

Na opinião de Isabel dos Santos, “é preciso compreender que não se pode simplesmente dizer que, porque se é filho de alguém, é-se imediatamente culpado“, reagiu na entrevista: “É por isto que há muito preconceito”.

“Fogem dela como o diabo da cruz”, chegou a escrever Eduardo Cerqueira sobre Isabel dos Santos

Questionada sobre se o facto de se ser filho de alguém importante não significa que se tem de ter cuidado, a filha do ex-Presidente angolano responde: “Todos os meus negócios foram extremamente bons do ponto de vista da gestão. Temos os melhores CEOs, os melhores COOs, temos os melhores diretores jurídicos. Temos profissionais, com experiência em outras empresas”. Quando o jornalista insistiu que ela não foi completamente transparente sobre os seus negócios, Isabel dos Santos repetiu: “Isso não é verdade”.

O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação publicou este domingo uma grande investigação que revela como Isabel dos Santos terá erguido um império multimilionário, que está sob suspeita por alegadamente ter desviado dinheiro da Sonangol para paraísos fiscais como o Dubai. A investigação juntou 37 jornais de 20 países que analisaram 715 mil documentos enviados por uma plataforma africana que protege denunciantes.

Isabel dos Santos não pára de atacar Luanda Leaks no Twitter e nega desvio de 115 milhões de dólares

A investigação está a ser referida como Luanda Leaks e afirma que a filha do ex-presidente do Angola desviou 115 milhões de dólares (o equivalente a 104 milhões de euros) da Sonangol enquanto era presidente da empresa para contas em offshore. Isabel dos Santos nega a autoria destes crimes fiscais, afirma que todos os documentos são falsos diz-se inocente e denuncia estar a ser vítima de racismo e de preconceito.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.