O Dodge Viper foi durante anos um dos mais excitantes superdesportivos do seu tempo, fabricado a partir de 1991. Extremamente baixo, largo e comprido, o seu verdadeiro trunfo era o motor, um V10 atmosférico que derivava de um camião da marca que, depois de ser profundamente trabalhado pela Lamborghini, passou a fornecer potências elevadas, dos iniciais 406 cv de 1991 aos 654 cv do SRT Viper TA de 2013.

Em 2006, o impressionante desportivo da Dodge extraía 517 cv do 8.3 V10 atmosférico e foi exactamente de uma dessas unidades que, depois de passar a ser soprado por dois turbocompressores, viu a sua potência quase triplicar, atingindo agora 1420 cv. Mas apesar do brutal incremento de potência e de força, que disparou igualmente, o Dodge continuou a estar homologado para circular na via pública, logo podendo candidatar-se a bater o recorde de velocidade.

Para conseguir a proeza, o Viper deslocou-se à Johnny Bohmer Proving Grounds, na Florida, que em tempos foi conhecida como o principal local para a aterragem do Space Shuttle. A sua pista com 4,35 km de extensão apresenta as condições ideais para que os superdesportivos atinjam a sua velocidade máxima em condições de segurança. Foi também aí que o Bugatti Chiron conseguiu alcançar a sua velocidade máxima.

O Dodge Viper com 1420 cv deslizou pista fora até conseguir fixar o limite em 252,588 milhas, ou seja, cerca de 406 km/h, tornando este Viper no recordista entre os modelos capazes de circular na via pública. Curiosamente, este valor bate a velocidade do Space Shuttle na aterragem, sabendo-se que esta nave tinha tão pouca sustentação, devido às suas pequenas asas, que tocava no solo a uma velocidade muito acima do normal. A prova é que enquanto um avião comercial aterra, em média, a 260 km/h, o Space Shuttle necessitava de chegar à pista a 343 km/h para o piloto ter um mínimo de controlo sobre a nave que, é bom recordar, aterra com os motores desligados.