O Partido Socialista (PS) questionou o Governo sobre a cobertura de amianto na Escola Básica Pêro da Covilhã. O partido anunciou esta quarta-feira que a situação levou a comunidade do distrito de Castelo Branco a lançar uma petição pública.

É um “assunto de extrema importância a que urge dar resposta o mais brevemente possível”, frisou o grupo parlamentar, justificando o dever de “expor e sensibilizar, sem perdas de tempo, quem tem a responsabilidade na governação para poder dar uma resposta sobre o tema”.

As questões dos deputados socialistas eleitos pelo círculo de Castelo Branco, foram dirigidas aos ministros do Ambiente e da Ação Climática, João Matos Fernandes, e da Educação, Tiago Brandão Rodrigues. Os parlamentares lembram que já foi lançada uma petição através da qual a comunidade escolar da Escola Básica Pêro da Covilhã (Escola Sede do Agrupamento de Escolas Pêro da Covilhã) solicita “a proteção imediata dos seus educandos, corpo docente e funcionários de ação educativa, por exposição diária ao amianto, com 40 anos já de existência e com apresentação de fissuras/deterioramento”.

Tendo como primeiro subscritor o deputado Nuno Fazenda, o documento questiona qual é “o grau de prioridade” que está atribuído a este estabelecimento de ensino no âmbito do Programa de Remoção do Amianto e do Fundo de Reabilitação e Conservação Patrimonial.  Pretendem saber se estão reunidas as condições para que as entidades promotoras possam apresentar, no imediato, as suas candidaturas para obtenção de cofinanciamento e a remoção do amianto, quais são as entidades responsáveis pela apresentação da candidatura, e ainda se existe alguma estimativa do investimento necessário e calendário para uma intervenção.