A World Rugby, que tutela o râguebi mundial, anunciou esta quinta-feira um plano de 100 milhões dólares (cerca de 92 milhões de euros) para apoiar federações e organizadores de competições suspensas devido à pandemia de Covid-19.

A estratégia, esta quinta-feira anunciada, será disponibilizada “a federações que necessitem de financiamento de emergência de forma imediata, sujeito ao cumprimento de critérios apropriados”.

Está desenhada para apoiar “o maior número possível” de entidades, num momento em que a Federação de Râguebi da Austrália enfrenta perdas estimadas de 70 milhões de euros, com três quartos do staff em lay-off.

Na Nova Zelândia, os All Blacks aceitaram que metade do salário fosse congelado, uma verba próxima dos 14 milhões de euros, até ao final de 2020, enquanto jogadores do País de Gales e Escócia também aceitaram cortes.

Outra questão em cima da mesa prende-se com a calendarização internacional até ao final do ano, com provas como o Torneio das Seis Nações, o que pode levar a uma “revolução” do calendário a curto prazo.

Como precaução, estão planeados vários cenários que tomam em consideração planos competitivos em que viagens entre hemisférios não serão possíveis e, no pior cenário, nenhum râguebi internacional será possível”, pode ler-se no comunicado.

A nível global, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 137 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 450 mil doentes foram considerados curados.

Itália (21.645 mortos, em 165.155 casos), Espanha (19.130 mortos, 182.816 casos), França (17.167 mortos, 147.863 casos) e Reino Unido (12.868 mortos, 98.476 casos) são os mais afetados no continente europeu, que somava hoje 90.181 mortos (mais de um milhão de casos),

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos, como Dinamarca, Áustria ou Espanha, a aliviar algumas das medidas.