O Brasil contabiliza 2.575 mortes associadas ao novo coronavírus e atingiu os 40.581 casos de infeção desde o início da pandemia, informou esta segunda-feira o executivo.

O Ministério da Saúde tinha anunciado, durante a tarde, que o número de mortes nas últimas 24 horas devido ao novo coronavírus ascendia a 383. Contudo, a tutela admitiu um “erro de digitação”, corrigindo os valores para 113 vítimas mortais registadas esta segunda-feira.

Além dos 113 mortos, o país sul-americano contabilizou ainda 1.927 novos infetados nas últimas 24 horas.

De acordo com o balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, o aumento no número de mortes nas últimas 24 horas foi de 4,6%, passando de 2.462 mortes no domingo, para 2.575. Em relação ao número de infetados, o crescimento foi de 4,9%, de 38.654 para 40.581 casos confirmados.

Segundo o ministério, a taxa de letalidade da covid-19 está fixada em 6,3%.

São Paulo continua a ser o estado brasileiro com maior número de casos confirmados, concentrando 1.307 mortos e 14.580 casos de infeção, seguindo-se o Rio de Janeiro, que contabiliza 422 vítimas mortais e 4.899 casos confirmados da covid-19.

Atualmente, 11 estados têm mais de mil casos registados da covid-19: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Pernambuco, Ceará, Bahia, Maranhão e Amazonas.

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse esperar que as medidas de isolamento social determinadas pelos governadores dos estados brasileiros para conter o novo coronavírus sejam levantadas esta semana, antes do pico da pandemia no país.

“Espero que seja a última semana de quarentena”, afirmou o chefe de Estado, após deixar a sua residência oficial no Palácio da Alvorada, em Brasília.

Segundo Bolsonaro, “dá para recuperar o Brasil ainda” e a população deve voltar a fazer as suas atividades normais já que muitas pessoas “não têm como ficar em casa porque a geladeira [frigorífico] está vazia”.

Desde o registo dos primeiros casos da doença covid-19 no país, Jair Bolsonaro mostrou-se um crítico das ações de isolamento social impostas por governos regionais, que orientaram a população para ficar em casa e determinaram a restrição das atividades do comércio e de empresas que prestam serviços não essenciais.

Bolsonaro chegou a ameaçar assinar um decreto a ordenar o fim do isolamento social em todo o território brasileiro.

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que estados e municípios têm autonomia para determinarem medidas para enfrentar o novo coronavírus.

No domingo, Bolsonaro discursou para centenas de apoiantes que se aglomeraram em Brasília, numa ação que defendia uma intervenção militar e o fim do isolamento social face à pandemia da covid-19.

A nível global, segundo um balanço da AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 167 mil mortos e infetou mais de 2,4 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 537 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.