Os médicos norte-americanos estão a reportar casos de coagulação do sangue nos pacientes da Covid-19 em estado muito grave, noticiou o The Washington Post.  Os especialistas afirmam que não sabem a origem destes problemas e que, portanto, estão “assustados”.

De acordo com o levantamento em 10 hospitais do sistema de saúde da Universidade Emory, no estado de Georgia, entre 20% a 40% dos pacientes nos cuidados intensivos sofreram uma coagulação do sangue — um problema que pode provocar embolias pulmonares, acidentes vasculares cerebrais ou enfartes do miocárdio.

A coagulação do sangue também está a ser reportado nos casos mais graves de infeção pelo novo coronavírus em Portugal, confirmou Álvaro Beleza, diretor do Serviço de Imuno-Hematologia do Hospital de Santa Maria, ao Observador. Mas não surpreendeu os médicos: “É um quadro normal em casos de infeção, que conhecemos há muito tempo”.

Segundo o médico hematologista, alguns doentes mais críticos da Covid-19 desenvolvem uma coagulação intravascular disseminada, em que “o sangue coagula a nível geral, ao longo do sistema vascular, e começa a gerar trombos”.

Portugal testa plasma contra a Covid-19 já em maio. Como funciona e que resultados deu lá fora?

Isso acontece quando há uma agregação das plaquetas, as células responsáveis por estancar sangramentos em vasos sanguíneos lesionados. É o que tem sido observado nos casos mais agudos e terminais de pneumonia nesta pandemia, mas que também já foi observado em pacientes em coma, cirurgias vasculares ou com problemas de fígado.

De acordo com Álvaro Beleza, a coagulação intravascular disseminada acontece normalmente nos quadros em que os pacientes entram numa falência generalizada dos órgãos, incluindo o fígado e os rins. “Há uma alteração das plaquetas e da resposta hepática. São quadros que acontecem frequentemente em doentes agudos de falência em cuidados intensivos”, explica.

Nesses casos, os pacientes recebem medicamentos anticoagulantes ou transfusões dos componentes no sangue que lhes fazem falta — como o plasma, as plaquetas ou glóbulos vermelhos, por exemplo. Por isso é que a doação de sangue continua a ser importante no quadro da pandemia de Covid-19.

As complicações sanguíneas juntam-se a uma extensa lista de problemas que têm sido reportados nos casos de infeção pelo novo coronavírus. A principal lesão provocada pelo SARS-CoV-2 acontece nos pulmões, quando os alvéolos são atingidos pela infeção e provoca pneumonias graves e problemas de oxigenação do sangue. Mas a doença também afeta o cérebro e o coração.

Cicatrizes nos pulmões, risco de enfarte e até problemas cerebrais. As sequelas que a Covid-19 deixa em quem recupera