Uma auditoria interna e uma investigação do Ministério Público serão feitas à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Peniche, que acompanhou o caso de Valentina, segundo avança a SIC Notícias e o Expresso. “Servirá para perceber se alguma coisa correu menos bem e em que é que podemos todos melhorar”, diz a presidente da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens.

Maria Rosário Farmhouse explica que o organismo que preside não tem competências para analisar o processo que a CPCJ de Peniche abriu há um ano — e acabou arquivado — sobre Valentina, a criança de 9 anos assassinada no início de maio. O pai e a madrasta, suspeitos de terem cometido o crime, continuam em prisão preventiva.

Sandro, Sónia e Valentina. A história da família que nunca existiu

Há um ano, depois de Valentina ter fugido de casa do pai, a CPCJ de Peniche abriu um processo, mas acabaria por deixar de seguir a menor. Maria Rosário Farmhouse, em declarações à SIC Notícias, não quis comentar casos concretos, mas lembrou que estes organismos só podem atuar quando as situações são denunciadas. Atualmente, a nível nacional são seguidas cerca de 42 mil crianças e jovens em risco.

“Há uma enorme tendência para, sempre que há algum caso, tentar derrubar o sistema que existe” diz Maria Rosário Farmhouse, assumindo que o sistema tem falhas e que pode ser melhorado. Para já, diz que a atuação da CPCJ de Peniche será analisada.

Valentina foi vestida depois de morta? Madrasta ajudou o pai a esconder corpo? Os mistérios da morte da criança que a PJ tenta desvendar

“Podemos fazer uma auditoria à composição, ao funcionamento, não ao processo em si”, sublinha a presidente da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens, já que quem tem competência para fazê-lo é o Ministério Público.

E isso, garante Maria Rosário Farmhouse, “já foi feito pela Procuradora Geral da República”.

Suspeitas de abuso sexual, violência, ameaças e contradições. As versões do pai e da madrasta de Valentina