Um estudante de Psicologia em Lisboa de 25 anos, suspeito de ter assassinado a colega com quem quereria manter uma relação e escondido o corpo da jovem de 23 anos, foi detido pela Polícia Judiciária (PJ) na noite de quarta-feira. A detenção avançada pela TVI24 foi já entretanto confirmada por este órgão de investigação criminal, em comunicado.

O crime, alegadamente motivado por ciúmes e obsessão, terá sido cometido na casa da vítima, na noite do passado dia 22 de maio. A jovem, que chegou a estudar Música-Piano na Universidade de Évora mas que depois decidiu dedicar-se ao curso de Psicologia, encontrava-se “desaparecida desde então”, informa a PJ.

A última vez que tinha falado com a mãe foi na sexta-feira passada, por volta das 21h. Uma hora e meia depois ainda contactou com um colega de curso. Depois disso, ninguém conseguiu voltar a conversar com ela.

Contactada pelos amigos, que estranharam a ausência da rapariga, a família viajou de Elvas, a cidade natal da jovem, até Lisboa. Na casa onde a estudante morava com outra colega — que estaria fora, de regresso à casa dos pais, para cumprir o confinamento — havia sinais de violência, incluindo sangue, e uma refeição por consumir. Além disso, o telemóvel da jovem também estava no interior.

Um desses amigos terá sido o próprio suspeito, avança o Correio da Manhã, que terá ajudado a família a contactar outros colegas na esperança de desvendar o paradeiro na jovem. O rapaz apresentou-se como namorado da vítima, o que causou estranheza à família já que a estudante tinha recuperado contactos com outro rapaz, também ele alentejano, com quem já tinha mantido uma relação no passado, diz o Público.

O suspeito, que se manteve sempre colaborativo com as autoridades, entrou na mira da polícia quando os amigos da jovem relataram as perseguições do suspeito e a dificuldade em aceitar o novo relacionamento da rapariga, prossegue o Correio da Manhã.

O estudante foi interrogado na quarta-feira e confrontado com os vestígios do crime, que incluíam sinais suspeitos também no carro do jovem e nas comunicações entre os dois. Sem margem para desmentir o sucedido, acabou por confessar e revelar que terá usado um bastão para matar a estudante e escondido o corpo junto ao rio Tejo, diz o Jornal de Notícias. Segundo a TVI24, as autoridades ainda não localizaram o corpo.

O suspeito de ter praticado os crimes de homicídio qualificado e profanação de cadáver tem 25 anos é estudante de Psicologia numa universidade pública de Lisboa e ficou detido no Estabelecimento Prisional da PJ. Ainda na quinta-feira terá sido levado para o hospital com ferimentos que indiciam uma possível tentativa de suicídio. Deve ter alta esta sexta-feira e ser presente a um juiz  para primeiro interrogatório judicial, no qual será sujeito à aplicação das medidas de coação tidas como adequadas.