Bruxelas aprovou 83 milhões de euros do Fundo de Coesão para “melhorar as ligações, eficiência e segurança das linhas” do metro de Lisboa, anunciou a Comissão Europeia esta quinta-feira.

Em causa está a ligação da linha amarela à linha verde, tornando-a circular. Em comunicado, a Comissão Europeia garante que, “depois de concluída, a rede de metro melhorada reduzirá os estrangulamentos e os tempos de viagem na área metropolitana de Lisboa”.

O projeto, para o qual Portugal pediu apoio comunitário em março, deverá trazer benefícios para a área metropolitana de Lisboa, de acordo com Elisa Ferreira, comissária europeia da Coesão e Reformas: “Ligações mais fáceis entre todos os modos de transporte público, tempos de viagem mais curtos, redução das emissões de CO2 e melhor acesso a estes serviços, nomeadamente para as pessoas com mobilidade reduzida”, considerou a comissária, citada no comunicado.

A Comissão Europeia entende que, desta forma, fica assegurada também “uma melhor ligação entre o centro urbano da cidade e a periferia, especialmente para as pessoas que se deslocam a partir dos concelhos de Oeiras, Cascais, Almada, Seixal e Montijo até ao Cais do Sodré e aqueles que usam as rotas de Sintra/Azambuja e Sul/Setúbal para chegar a Entrecampos”.

Um novo sistema de sinalização e dez novos comboios “impulsionarão a eficiência e a segurança”, garante ainda o executivo comunitário.

Matos Fernandes irredutível quanto à linha circular do metro. Vermelha cresce quando houver financiamento