O balanço da pandemia do novo coronavírus nos EUA pode superar os 150 mil mortos, estimou esta segunda-feira o Presidente do país, Donald Trump, durante uma entrevista na Casa Branca, o que compara com as atuais 120 mil vítimas mortais.

O balanço atual é “provavelmente de 115 (115 mil), mas pode ir um pouco mais acima, até 150 (150 mil), talvez mesmo mais, mas ter-se-iam perdido dois a quatro milhões de vidas” se o país não tivesse tomado medidas para diminuir a propagação do novo coronavírus, disse Trump, durante uma entrevista à rede noticiosa por cabo Spectrum News.

Trump referiu-se ao modelo avançado pelo Imperial College of London, que anunciou em meados de março um balanço possível de 2,2 milhões de mortes nos EUA se nenhuma medida fosse tomada.

Segundo a Universidade Johns Hopkins, que é uma referência neste assunto, o balanço das mortes nos EUA atingiu esta segunda-feira os 120 mil.

“Fizemos um bom trabalho e agora estamos a repor o país de pé”, declarou, durante a entrevista realizada na Casa Branca.

Interrogado sobre a oportunidade de organizar novos encontros de campanha eleitoral, quando vários estados do sul e oeste do país conhecem um novo surto de infeções, Trump disse que a segurança sanitária não estava a ser negligenciada.

“Nós estamos preocupados com a segurança”, afirmou. “Queremos desembaraçar-nos desta coisa”, acrescentou.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 469 mil mortos e infetou quase 9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.