“Era suposto” que “o número de novos casos diários tivesse diminuído” em Lisboa — mas não aconteceu, admitiu Fernando Medina em entrevista à TVI esta segunda-feira. E explicou porquê: porque “não houve a contenção dessas cadeias de transmissão“. “Por isso é que há um conjunto de novos casos que mantêm este número — que é um número elevado: entre os 200 e os 300 por dia”, acrescentou.

Não houve o controlo dessas cadeias de transmissão. Isso é muito claro”, assumiu.

Sobre a manifestação contra o racismo, Medina defendeu que a forma como foi organizada “foi um disparate”. “Mas que responsabilidade tenho eu?”, questionou, para depois responder: “Não tenho nenhum poder para autorizar uma coisa daquelas, tenho o direito de opinião”. “Qualquer pessoa de bom senso, relativamente ao processo que estamos a viver, só pode achar que aquilo não faz sentido”, acrescentou.

Questionado, Fernando Medina lembrou que não foi ele que pediu que a Liga dos Campeões fosse em Lisboa mas acolhe o evento: “Acho uma boa solução”. “Eu não conto ter adeptos em Lisboa”, disse à TVI, acrescentando. Questionado sobre como os vai impedir, o autarca respondeu: “Quais são os acordos que são feitos relativamente ao transporte aéreo? Tem de ser regulado“. “A minha expectativa é que estejam cá as equipas, os técnicos, o staff“, acrescentou.

Medina acusa Malheiro de só querer “aparecer na televisão”. Malheiro responde: “Que vergonha”

Depois de o presidente da Câmara de Ovar propor um cerco a Lisboa, chegou a resposta de Fernando Medina, o presidente da cidade: “O Salvador Malheiro estava com saudades de vir à televisão“. Em entrevista à TVI, o presidente da Câmara de Lisboa defendeu que a proposta em causa é “uma asneira”. E, no Facebook, Malheiro respondeu: “Que vergonha”.

Para Medina, Malheiro “não faz ideia do que é Lisboa, nem a região de Lisboa, nem os problemas da região de Lisboa, nem sequer a dimensão”. Por isso, a “valorização” que faz “do que ele diz é nenhuma”. E concluiu:

Detesto os aproveitamentos e os populismos de quem quer aparecer na televisão para não resolver problema nenhum”, disse ainda.

Cerca de uma hora depois, chegou a resposta do autarca de Ovar, via Facebook, numa publicação onde acusou Medina de ter sido “extremamente deselegante” e de “falta de educação”. “Não deixa de ser curiosa a sua opinião a meu respeito. Nomeadamente porque passa a vida a comentar, nas televisões, sobre assuntos que não domina. Não tem, aliás, qualquer pudor em se colocar em pose, atrás das câmaras, aquando da chegada de um qualquer avião carregado de EPIs”, lê-se no comentário que acompanha a foto onde precisamente se vê Fernando Medina junto a um avião com equipamentos de proteção individual.

Ouvi, com muita atenção, a entrevista do Sr. Presidente da Câmara Municipal de Lisboa.Foi extremamente deselegante com…

Posted by Salvador Malheiro on Monday, June 22, 2020

Salvador Malheiro escreve ainda que teme pela “segurança e proteção de todos os munícipes de Lisboa, perante tamanha falta de liderança, arrojo e coragem do seu Presidente de Câmara (que não é de Lisboa)”. O autarca de Ovar acusa ainda Medina de “atirar todas as responsabilidades para a Direção-Geral de Saúde, para o Ministério da Saúde, para o Governo, para a UEFA ou para a consciência das pessoas”. “Fernando Medina: que Vergonha!“, remata.

Num comentário a esta publicação, Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, manda “um abraço para Ovar e para o seu presidente”, referindo-se a Salvador Malheiro.

Pouco depois, foi a vez do líder do PSD. No Twitter, Rui Rio defendeu que o presidente da Câmara de Lisboa “esteve muito mal na resposta ao presidente do município de Ovar”. “Todos temos momentos menos felizes e hoje o presidente da Câmara de Lisboa esteve particularmente infeliz”, lê-se.